Mãe confessa que matou recém-nascida levada para UPA com sinais de estupro - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

23/06/2021

Mãe confessa que matou recém-nascida levada para UPA com sinais de estupro

Ela afirmou ter afogado a filha e alegou que ela estava com “chip da besta na cabeça”

Equipes da Guarda Municipal em frente a UPA em que ocorreu a prisão ©Adriano Fernandes
A mãe da bebê de 5 meses que chegou morta a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Jardim Leblon, na noite desta terça-feira (22), confessou ter afogada a filha em Campo Grande. Para a polícia, a mulher alegou ter matado a criança porque ela estava com “chip da besta na cabeça”.

Conforme a delegada Fernanda Piovano, da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), após levar a filha já morta para a unidade de saúde, a mulher confessou o crime. Detalhou ter afogado a menina porque ela estava com o “chip da besta na cabeça” e negou ter visto qualquer sinal de estupro.

Apesar dos ferimentos que indiquem crime de estupro existirem, a mulher afirmou que foi a única que teve contato com a filha e que “não sabe de onde saiu e não tinha visto” as lesões. Usuária, a suspeita afirmou apenas já ter usado maconha, não relatou, no entanto, que tipo de drogas consome atualmente.

Ainda conforme a delegada, o pai da menina também foi ouvido. Ele relatou que estava separado da mulher, mas via a filha duas vezes por semana. Nesta terça-feira (22) tentou visitar a bebê, mas foi impedido pela ex. “Ele contou que a mulher estava estranha e não deixa ele ver a filha há alguns dias”, detalhou a delegada.

Mesmo diante da versão “fora da realidade”, a delegada relatou que a suspeita não aparenta sofrer de transtornos mentais.

O caso foi descoberto na noite de ontem, após a mãe levar a pequena para a unidade. Durante o atendimento os médicos a equipe de saúde suspeitaram de ferimentos nas partes íntimas da bebê e acionaram a polícia. Militares da 10ª CIPM (Companhia Independente de Polícia Militar) foram até o local e prenderam a suspeita.

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS
Por: Geisy Garnes e Ana Oshiro

***