Em plena pandemia, Bolsonaro gasta R$ 5,6 milhões com novela e férias - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

05/04/2021

Em plena pandemia, Bolsonaro gasta R$ 5,6 milhões com novela e férias

Canal de TV do governo vai exibir a partir de hoje produção "Os Dez Mandamentos", ao custo de R$ 3,2 milhões

Bolsonaro é abençoado pelo bispo Edir Macedo em culto que teve mais de 10 mil fieis ©Reprodução do Youtube
Enquanto o Brasil tenta sobreviver à pandemia de covid-19, que já acumula mais de 330 mil vidas perdidas no País, o governo federal faz gastos que chamam a atenção num período de gente morrendo até por falta de oxigênio. Em apenas duas despesas, foram R$ 5,6 milhões, para viagem de veraneio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e compra dos direitos de reprodução da novela bíblica “Os Dez Mandamentos”.

Isso mesmo. A TV Brasil, ligada à EBC (Empresa Brasileira de Comunicação), estreia hoje nova programação. Na grade, está a produção da TV Record, do empresário Edir Macedo, bispo da Igreja Universal do Brasil, um dos mais fortes aliados do presidente Jair Bolsonaro no meio evangélico. Nem por isso a empresa pública teve desconto para exibir o conteúdo: para incluir a produção entre suas atrações, a EBC fechou contrato de R$ 3,2 milhões com empresa de Macedo.

O compromisso foi firmado no dia 11 de março, ou seja, em pleno mês de recorde de mortes pela pandemia de covid-19, o governo federal decidiu investir dinheiro público para comprar conteúdo da TV aberta de seu aliado. Além disso, escolheu novela com teor religioso, o que pode ser visto como afronta ao princípio do estado laico previsto na Constituição Federal, segundo reportagem do site Poder 360.

A título de comparação, o valor pagaria 56 mil doses da vacina CoronaVac, suficiente para garantir a primeira etapa da imunização contra a doença de toda a cidade de Sidrolândia, em Mato Grosso do Sul, hoje com a situação mais crítica em relação ao risco de contágio pelo novo coronavírus.

Se considerado o valor mais baixo do auxílio-emergencial, em fase de retomada depois de muita pressão, o montante do contrato com a Record bancaria uma parcela de R$ 150,00 a 21 mil cidadãos.

A previsão contratual é de que a novela será exibida em 242 capítulos. Isso vai até novembro de 2022, em pleno período eleitoral. As exibições serão de segunda a sábado, com uma reprise diária.

Segundo as informações que podem ser consultadas no sistema ComprasNet, o contrato publicado no Diário Oficial da União, foi assinado pelo ministro das Comunicações, Fábio Faria, genro do apresentador e empresário Silvio Santos, dono do SBT, emissora também editorialmente alinhada ao atual governo.

A passeio – Apesar do discurso de máquina pública “quebrada”, essa despesa não é a única do governo com potencial de questionamento. Custou aos cofre públicos R$ 2,3 milhões a viagem de férias do presidente Jair Bolsonaro nas praias de São Francisco do Sul (SC) e Guarujá (SP) entre os dias 18 de dezembro de 2020 e 5 de janeiro deste ano, período de agravamento da pandemia. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

O dado foi informado ao jornal pelo general Augusto Heleno, ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência), pelo ministro Onyx Lorenzoni, da Secretaria Geral da Presidência, como resposta a pedido de informação formulado pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO).

Encaminhados ao parlamentar quase três meses depois que ele apresentou o requerimento a órgãos da administração federal, as informações foram divulgadas à imprensa.

Conforme a resposta do GSI, gastos US$ 185 mil, cerca de R$ 1 milhão, com transporte aéreo em aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) para eventos privados do presidente neste período.

Também foram feitas despesas de R$ 202 mil com passagens aéreas e diárias de integrantes da secretaria de segurança e coordenação presidencial. A Secretaria-Geral da Presidência informou gastos de R$ 1,1 milhão em cartão corporativo de despesas decorrentes das viagens.

Esse valor engloba a hospedagem das equipes de apoio e segurança das comitivas oficiais, alimentação dos agentes de segurança aérea que não recebem diárias, despesas aeroportuárias e combustível.

Elias Vaz, parlamentar autor do pedido de informação, disse que vai pedir ao TCU (Tribunal de Contas da União) a investigação dos gastos.

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS
Por: Marta Ferreira

***