Deputado Capitão Contar se posiciona contra tributação estadual dos combustíveis - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

15/03/2021

Deputado Capitão Contar se posiciona contra tributação estadual dos combustíveis

Deputado Estadual Capitão Contar
No Dia do Consumidor, celebrado nesta segunda-feira (15), uma das reclamações dos sul-mato-grossenses é o alto preço pago no combustível. A decisão do Governo do Estado em manter o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) dos combustíveis sem alteração não acompanha a política tributária do Governo Federal que zerou os tributos da União sobre o diesel e gás de cozinha. Apesar das medidas federais para tentar reduzir os impactos dos preços dos combustíveis, em Mato Grosso do Sul essa diferença não foi repassada.

“É inadmissível que o Bolsonaro isente a tributação de impostos federais e os Estados não acompanhem, neguem isso para população! Não podemos aceitar essa injustiça!” ,disse o Deputado Estadual Capitão Contar.

Em 2021, a Petrobras já aplicou seis reajustes no preço da gasolina e cinco no diesel, situação que tem causado revolta a população. Outro fator que implica no alto custo dos combustíveis são os impostos estaduais. Em Mato Grosso do Sul, a alíquota do ICMS do combustível, em especial da gasolina, representa 30% do valor que pago pelo consumidor, uma das mais altas cargas do País.

Segundo Renan Contar, seu mandato tem se pautado em ouvir a população e atender suas demandas prioritárias. O parlamentar esteve presente nas carreatas deste domingo e ouviu de manifestantes a revolta contra os altos preços dos combustíveis, uma das pautas das manifestações por todo o Brasil.

“Não podemos nos calar. Quem mais sofre com isso é a população que tem que arcar com altos preços. Chega a ser inviável tirar o carro da garagem nessas condições. Vamos continuar lutando para que a prestação dos serviços públicos seja eficiente, e para que os impostos sejam justos e reflitam o momento que estamos passando, nosso mandato está à disposição da população”, reafirmou Contar.

ASSECOM

***