PANDEMIA| Saiba quais são as cidades mais afetadas pela Covid-19 em Mato Grosso do Sul - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

20/01/2021

PANDEMIA| Saiba quais são as cidades mais afetadas pela Covid-19 em Mato Grosso do Sul

Campo Grande já tem mais de 66 mil doentes e Dourados atingiu hoje a marca de 17 mil infectados

De acordo com os dados do Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual de Saúde (SES) desta quarta-feira (20), Campo Grande já tem 66.748 confirmações desde o início da pandemia. 

Dourados, a segunda cidade mais afetada, já tem 17.101 casos. Corumbá 7.662; Três Lagoas 5.220 e Ponta Porã 3.246. 

Mato Grosso do Sul já tem 153.057 casos confirmados de Covid-19 e 2.723 óbitos pela doença, desde o início da pandemia. 

A média móvel de casos é de 987,7; já a média móvel de mortes, 16,3. A taxa de contágio está em 1,03 e a de letalidade 1,8.

De ontem para hoje, foram registrados 1.031 novos casos e 18 mortes no Estado. Em isolamento domiciliar encontram-se 12.823 doentes. Recuperados somam em 136.971.

“Pedimos bênçãos de resignação às 18 famílias que perderam seus entes queridos”, clama Christinne Maymone, secretária adjunta de saúde.

Há 540 pessoas internadas, sendo 292 em leitos clínicos (194 público; 98 privado) e 248 em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) (180 público; 68 privado).

Campo Grande 338; Dourados 160; Corumbá 43; Ponta Porã 35; Naviraí 27; Três Lagoas 26; Dois Irmãos do Buriti 21; Maracaju 21; Miranda 19; Paranaíba 18; Aquidauana 17 e Nova Andradina também 17. 

Campo Grande, Bonito, Cassilândia, Maracaju, Três Lagoas, Eldorado, Dourados, Jardim, Corumbá e Paranaíba são as cidades que apresentaram mortes nas últimas 24 horas.

Panorama da Covid-19 no Brasil

Já são 8.573.864 brasileiros infectados pelo vírus e 211.491 óbitos. É o segundo maior número de mortes em todo o mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Em um dia, o país registrou 62.094 novos casos e 1.192 mortes.

O sudeste é o que mais preocupa tanto em casos, quanto em mortes. A região já possui 3.061.946 confirmações e 97.414 óbitos.

A região norte é a que tem menor número de casos (944.087). A região Centro-Oeste é a que possui menor número de mortes (19.022), desde o início da pandemia.

Panorama da Covid-19 no mundo

Já são 96.218.601 casos confirmados e 2.058.534 mortes por Covid-19 em todo o mundo. A situação é pior nos Estados Unidos, que já tem mais de 24 milhões de casos e 400 mil óbitos.

A Índia vem em segundo lugar com o pior número de casos, que já somam 10.595.639. Em terceiro, o Brasil.

O país europeu mais afetado pela pandemia foi o Reino Unido, com 3.466.849 casos e 91.470 óbitos desde o início da pandemia.

O país com menor número de casos é Saara Ocidental (10), localizado na África.

Cambodja, Aland, Dominica, Vaticano e Groenlândia são alguns dos países que não registraram nenhuma morte.

Quadro de risco 

Conforme o relatório situacional do Programa de Saúde e Segurança da Economia (Prosseguir), o índice de grau de risco da Covid-19 em municípios de Mato Grosso do Sul encontra-se alarmante. 

A bandeira vermelha representa grau baixo; a amarela, tolerável; a laranja, grau médio; a vermelha, grau alto e a cinza, grau extremo. 

Nenhum dos 79 municípios do Estado estão nas bandeiras amarela ou verde. Todos estão nas faixas de maior risco. 

Em nível extremo, encontram-se dois municípios: Japorã e Dois Irmãos do Buriti.

Em nível alto, encontram-se algumas das seguintes cidades: Campo Grande, Dourados, Ponta Porã, Maracaju, Bonito, Coxim, Camapuã, Porto Murtinho, Três lagoas, Sete Quedas, Sonora e São Gabriel do Oeste.

Em nível médio, destacam-se os municípios: Bodoquena, Rochedo, Jaraguari, Corumbá, Corguinho, Ivinhema, Aquidauana, Mundo Novo, Terenos e Ribas do Rio Pardo.

Esperança

Na última segunda-feira (18), 158.760 doses da vacina Coronavac desembarcaram na Base Aérea de Campo Grande.

Só ontem, no primeiro dia oficial de vacinação, 798 pessoas foram imunizadas contra a doença em Campo Grande.

As vacinas já estão em todos os 79 municípios de Mato Grosso do Sul. As entregas começaram ainda na segunda-feira (18), às 20h.

“Isso é algo inédito que precisa ser comemorado”, comemora Geraldo Resende, secretário de Estado de saúde.

A força tarefa de distribuição de vacinas contou com o apoio da Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros. 

“Conseguimos iniciar a distribuição dos mais de 158 mil imunizantes, logo na segunda-feira, a partir das 20h. As forças de segurança conseguiram atender a distribuição a todos os 79 municípios do MS em um prazo inferior de 24 horas”, afirma Marcello Fraiha, Diretor de Saúde, Coronel e Assessor Técnico do Corpo de Bombeiros Militar na SES.

“Foram 28 viaturas e mais de 90 profissionais colaboradores entre civis e miliares”, acrescenta.

“Em menos de 24 horas, nós chegamos a todos os 79 municípios. Foi uma integração de resultado que funcionou muito bem. Mato Grosso do Sul deu um exemplo ao Brasil na logística da entrega de vacinas”, narra Reinaldo Azambuja, governador.

De acordo com o Instituto Butantan, eficácia geral da Coronavac é de 50,4%.

“Viva o sus, viva a vacina e viva a nossa esperança que poderemos modificar o ano de 2021”, celebra Christinne.

“Não vamos descansar sábados, domingos, feriados. Vamos trabalhar incessantemente para ter sucesso nessa batalha final que é aguardada por tanta gente”, disse Geraldo.
Sintomas do novo coronavírus

É possível que o cidadão esteja infectado pelo vírus da Covid-19, caso apresente os seguintes sintomas:
  • Febre
  • Tosse seca
  • Perda do olfato
  • Perda do paladar
  • Falta de ar
  • Dificuldade para respirar
  • Dor ou pressão do peito
Orientações

A SES afirma que o isolamento social; o uso de máscara e álcool gel e a higienização das mãos com água e sabão são medidas imprescindíveis para conter a propagação do novo coronavírus.

Pessoas que apresentarem febre, tosse seca ou dor de garganta devem permanecer em isolamento por 14 dias e procurar uma unidade básica de saúde mais próxima. 

“Qualquer sintoma, não importa sua idade, se você é uma criança ou idoso. Vá a uma unidade de saúde”, pede a secretária adjunta.

“A doença tem comportamento diferente de pessoa para pessoa. Procure atendimento médico”, finaliza.

“Fique em casa, só saia se for exercitar atividades essenciais. Lave as mãos com água e sabão e use álcool gel. O uso da máscara é importantíssimo”, apela o secretário. 

“É importante o isolamento, uso de máscara, a proteção individual e a diminuição das aglomerações. A pandemia não passou. Vidas estão sendo perdidas todos os dias”, apela o governador do Estado.

É importante ressaltar que mesmo já imunizado, o paciente demora cerca de um mês para criar imunidade contra o vírus, por isso, é aconselhado o uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento social.

Por: Naiara Camargo

***