POLITICANDO| Por Jota Menon - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

02/12/2020

POLITICANDO| Por Jota Menon


RADICALISMO NÃO! 

Computados os votos do segundo turno nas 18 capitais e 39 municípios brasileiros com mais de 200 mil eleitores, o resultado final das urnas nas eleições deste ano mostra claramente que a população brasileira não aprovou os extremismos, nem de esquerda, nem de direita. 

EXPERIÊNCIAS 

Depois de experimentar governos de esquerda que perduraram por mais de 13 anos – interrompidos com a brusca cassação da ex-presidente Dilma – e de extrema-direita, representado pelo atual governo federal, o povo foi às urnas e disse um sonoro não ao radicalismo. 

PERDEDORES 

Nesse contexto, dois líderes políticos pontearam a lista dos perdedores, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro. O primeiro porque viu o seu PT não eleger prefeito em nenhuma das 26 capitais estaduais brasileiras pela primeira vez em 35 anos e o segundo porque viu quase todos os candidatos que apoiou naufragarem nas urnas. 

MDB, REI DAS PREFEITURAS! 

O Movimento Democrático Brasileiro – MDB -, embora o fiasco em algumas localidades, como Campo Grande, continua sendo o grande partido nos municípios brasileiros. Com quase 800 prefeituras no Brasil, o partido também ficou na liderança no número de executivos de capitais, com cinco prefeituras. 

MDB, REI DAS PREFEITURAS! (1) 

O MDB, que não tinha ganhado nenhuma prefeitura de Capital no primeiro turno, venceu em cinco das sete que disputou no segundo turno. Porto Alegre (com Sebastião Melo), Cuiabá (Emanuel Pinheiro), Boa Vista (Arthur Henrique), Teresina (Dr. Pessoa) e Goiânia (com Maguito Vilela) são as capitais emedebistas do Brasil. 

PSDB E DEM COM 4 

Outros dois partidos que cresceram no pleito foram o PSDB e o DEM que ganharam quatro capitais cada um. O DEM venceu no Rio de Janeiro com Eduardo Paes; Florianópolis, com Gean Loureiro, Curitiba, com Rafael Greca e Salvador com Bruno Reis. Os tucanos continuarão com a maior cidade do Brasil, São Paulo, onde Bruno Covas foi reeleito, e elegeu ainda os prefeitos de Porto Velho, Hildon Chaves, de Natal, Álvaro Dias, e de Palmas, Cíntia Ribeiro. 

50% DELES! 

Somados, MDB, DEM e PSDB ganharam em 13 capitais que representam nada menos do 50% das capitais estaduais brasileiras. 

DUAS PREFEITURAS 

Quatro partidos venceram em duas prefeituras cada. O PDT venceu em Fortaleza (Sarto) e Aracajú (Edvaldo Nogueira), enquanto o PSD conquistou vitórias em Belo Horizonte (Alexandre Kalil) e em Campo Grande (Marquinhos Trade). Já o PSB comemorou as prefeituras de Recife (João Campos) e Maceió (JHC). Por fim, o PP venceu em Rio Branco (Tião Bocalom) e João Pessoa (Cícero Lucena). 

UM PREFEITO 

Alguns partidos conquistaram sua primeira prefeitura. Foi o caso do Avante, em Manaus, com a vitória de David Almeida sobre Amazonino Mendes (Podemos). O Republicanos também terá seu representante, Delegado Puzolini, que bateu João Coser em Vitória. Em São Luís, o prefeito será do Podemos, com o êxito de Eduardo Braide. Já o PSOL conseguiu eleger Edmílson Rodrigues em Belém. 

MARACAJU 

Para não ficar sem nenhuma nota local, abro espaço para um elogio sem medidas ao prefeito Dr. Maurílio (MDB) que enfrentou toda a pandemia, inclusive momentos críticos, sem apelar para o nefasto decreto do estado de calamidade. Se fizesse como a maioria dos prefeitos do Estado, ele teria passado o período eleitoral gastando os milhões de reais que chegam para o combate da pandemia sem precisar fazer licitação. Mas, como é de seu feitio, preferiu enfrentar o coronavírus dignidade, honestidade e com tudo comprado dentro das normas que regem o processo licitatório no Brasil. Parabéns! Parabéns e parabéns, prefeito Maurílio! 

VIVA O PORCO! 

Passada a refrega eleitoral voltemos os olhos para o magnífico, espetacular, sensacional e maravilhosa Verdão do Parque Antártica que ao final deste ano ficará conhecido como o “papa tudo”. Viva o Porco!

***