POLITICANDO: Por Jota Menon - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

25/11/2020

POLITICANDO: Por Jota Menon


GRANDE DECEPÇÃO 

Na eleição municipal desse ano, a grande decepção ficou por conta do PT de Mato Grosso do Sul. Depois de reinar soberano por oito anos, sob a liderança do ex-governador José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, o partido praticamente desapareceu do mapa. Não elegeu um prefeito sequer e o número de vereadores também é coisa de gato pingado. 

GRANDES DECEPÇÕES 

Em Campo Grande, a decepção não se restringiu ao PT. O MDB também fez um fiasco danado. Apesar de ter sido o partido que elegeu o maior número de prefeitos no país, em Campo Grande a performance do deputado estadual Márcio Fernandes foi pífia. Não passou de magros 3%, enquanto o PT de Pedro Kemp estacionou nos 8%. 

FICOU FÁCIL 

Com o desempenho muito baixo de seus opositores e sem o PSDB que nem candidato a vice quis indicar, Marquinhos Trad (PSD) surfou soberano e papou a eleição no primeiro turno com mais de 52% dos votos válidos na primeira totalização feita pela Justiça Eleitoral. 

AUMENTOU 

Passada a refrega, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul – TRE/MS – promoveu uma recontagem com o cancelamento definitivo dos 11% dos votos dados ao Promotor Harfouche (Avante). Com os votos do promotor jogado na lata de lixo, Marquinhos atingiu 59% dos votos válidos. 

CLUBE DO BOLINHA 

Reportagem veiculada nessa edição do Maracaju Hoje mostra que a Câmara Municipal de Maracaju não terá nenhuma mulher na próxima legislatura e, ainda, que a mulher melhor posicionada entre os suplentes é Rosane Jung do PSDB. Porém, ela é segunda suplente, tendo à sua frente, o correligionário Nelson Lords. 

PREFERÊNCIA 

Como é primeiro suplente, Nelson Lords tem a preferência para assumir uma cadeira caso um vereador peça licença na Câmara para ocupar um cargo de primeiro escalão no Executivo. A não ser que haja um “arranjo” e um “rearranjo” colocando também o primeiro suplente em posto de destaque na administração municipal. Antes que critiquem, essa teoria é pura navegação na maionese por parte do colunista. 

POR FALAR... 

... Em navegar na maionese, começam as articulações para a eleição na Câmara Municipal. O vereador Oséias Enfermeiro, do Republicanos, pela lógica deveria ser visto como o fiel da balança. Com seis vereadores eleitos pelo lado do prefeito eleito Marcos Calderan (quatro do PSDB e dois do DEM) e seis eleitos pelo lado do candidato derrotado Lenilso (quatro do MDB e dois do Patriota), se a disputa pela Presidência se polarizar entre os dois grupos, Oséias (eleito apoiando Thiago Caminha) é quem terá o voto de Minerva. (Mais uma navegada na maionese, um direito que a democracia me outorga). 

E VIVA O PORCO! 

Lembro-me como se fosse hoje quando meu irmão, Carlos Menon, enfermeiro no HU/MS há 36 anos, teclou comigo todo empolgado com o endurecimento do Palmeiras em relação ao pedido do Flamengo para o cancelamento do jogo entre as duas equipes por conta da pandemia. “Sou contra a realização do jogo, pois, além de corrermos o risco dos meninos da urubuzada endurecer, ainda corremos o risco de no futuro termos o mesmo problema e aí não poderemos pedir cancelamento” ponderei a ele. Dito e feito. Conseguimos um empate magro com os urubuzinhos e sábado passado, com 19 jogadores com Covid-19, perdemos pro lanterna do campeonato, o Goiás. Mas, vida que segue: Viva o Porco!

***