Coronavírus em MS ultrapassa 99 mil pessoas infectadas, com mais de 10 mil novos casos em novembro - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

30/11/2020

Coronavírus em MS ultrapassa 99 mil pessoas infectadas, com mais de 10 mil novos casos em novembro

Os patamares atuais da pandemia em Mato Grosso do Sul são praticamente os mesmos dos registrados no pico da pandemia, na semana 35 epidemiológica. É o que avalia o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, durante a transmissão ao vivo desta segunda-feira (30). Os dados preocupam, uma vez que além dos 99.061 casos confirmados da doença, os casos ativos ultrapassam 10,5 mil pessoas.

“Temos assistido um expressivo aumento no número de contaminados e óbitos no atual momento em que todo mundo achava que estávamos caminhando para o final da pandemia. É muito importante não aglomerar de maneira desnecessária, vamos pensar no coletivo, proteger o sistema de saúde, algumas unidades já registram 100% de ocupação”, alertou o secretário de Gestão Estratégica, Eduardo Corrêa Riedel, em apelo à importância das medidas de biossegurança.

Em apenas 24 horas 698 casos novos foram confirmados, totalizando agora 99.061 casos confirmados desde o início da pandemia. Em tratamento, 10.046 pessoas estão em isolamento domiciliar e 450 estão internadas, sendo 257 em leitos clínicos, com 131 pelo SUS e 126 na rede privada. Em estado mais grave, 193 estão em leitos de UTI, sendo 111 na rede SUS e 82 na rede privada.

Com este novo avanço da doença, as macrorregiões apresentam comprometimento na ocupação global de leitos, sendo que a Capital é a mais afetada, com 92% dos leitos UTI SUS ocupados. Na macrorregião de Dourados, a taxa de ocupação é de 56% e de Três Lagoas, de 57%. Na macrorregião de Corumbá, a taxa de ocupação é de 71%.

Em 24 horas, três pessoas morreram por Covid-19 no Estado, sendo um homem de Miranda, de 81 anos, um homem de Campo Grande, de 40 anos e uma mulher de 77 anos de Dourados, com total de 1.769 óbitos pela doença.

Clique aqui e acesse o relatório na íntegra.


Por: Ana Brito

***