Homem é preso após ameaçar matar e beber sangue de mulher e filho de 9 meses - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

09/09/2020

Homem é preso após ameaçar matar e beber sangue de mulher e filho de 9 meses



A Polícia Militar prendeu um jovem de 21 anos que ameaçou matar a esposa e o filho, de 9 meses e beber o sangue dos dois, em Campo Grande. Alterado, o suspeito quebrou todos os móveis da casa, ameaçou a vida dos policiais e gritou que “estava possuído pelo capeta”. O caso aconteceu na madrugada de segunda-feira (7), no Jardim Tijuca.

Em depoimento, a vítima contou que o marido chegou em casa por volta das 3 horas, já alterado e afirmou que mataria a mulher e o filho de 9 meses, depois beberia o sangue dos dois. Diante das ameaçadas, a mãe adotiva da vítima, que também estava na casa, pegou o neto e se trancou em um dos quartos.

A mulher não conseguiu se esconder a tempo. Foi empurrada e pressionada contra a parede pelo marido, enquanto as ameaças de morte eram repetidas várias vezes. O homem só soltou a vítima para destruir os móveis da casa. Com socos e chutes eles estilhaçou janelas e portas. Durante o surto cortou os braços, as pernas e o rosto.

Quando os policiais da 10ª CIPM (Companhia Independente da Polícia Militar) chegaram ao local, encontraram o homem já do lado de fora da casa. Alterado, ele gritou que mataria os militares e “foi para cima” deles. Reforço foi chamado e outras duas equipes foram a residência, mas ainda assim as ameaças de morte continuaram.

O homem resistiu à prisão, não obedeceu às ordens policiais e foi contido com tiros de bala de borracha. Depois foi imobilizado e algemado. Durante todo o tempo, ele gritava que estava possuído pelo capeta, que mataria os militares e beberia o sangue deles.

Para os policiais, a vítima contou que namora o rapaz desde 2017 e que a um ano e dois meses mora com ele, mas nunca tinha registrado nenhum boletim de ocorrência contra ele. Desta vez, pediu medido protetiva e o afastamento do marido de casa.

O caso foi registrado criminalmente na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) como resistência, ameaça e violência doméstica. Em audiência de custódia nesta terça-feira (8) o rapaz teve a prisão preventiva decretada pela justiça.

O pedido de proteção foi analisado e decretado no mesmo dia do crime, na segunda-feira. Na decisão, a juíza Larissa Castilho da Silva Farias proibiu que o autor de aproximasse a menos de 300 metros da vítima, de familiares dela ou testemunha do crime e só levasse de casa o que for se uso pessoal, na presença do oficial de justiça.



Fonte: CAMPO GRANDE NEWS