Pastor que aterroriza políticos e empresários é acusado de ter quebrado igreja em Maracaju e se apossado do dízimo dos fieis - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

06/08/2020

Pastor que aterroriza políticos e empresários é acusado de ter quebrado igreja em Maracaju e se apossado do dízimo dos fieis

Ele ficou conhecido como “X-9” quando “vazou” conversa telefônica entre os deputados Felipe Orro e Paulo Corrêa, gravação feita sem conhecimento das partes

©DIVULGAÇÃO
Um suposto pastor, apontado como proprietário de um site de notícias com base em Maracaju, vem aterrorizando a classe política e empresarial da cidade com a veiculação de fatos que em quase sua totalidade tendem a denegrir a imagem das pessoas enfocadas em suas notícias, as quais não podem ser chamadas de jornalísticas porque falta em seu conteúdo qualquer técnica preconizada pelo bom jornalismo. 

O “Pastor X-9”, como ficou conhecido o temido fabricante de notícias desabonadoras de pessoas conhecidas nos meios políticos e empresariais da cidade, apesar de ser arvorar a essência da lisura e da verdade, é alvo de comentários nada abonadores na sociedade maracajuense. 

Entre os comentários relacionados à sua pessoa há a informação de que ele teria montado uma igreja na cidade e se apossado do dízimo pago pelos fieis, fechando o templo depois de perder praticamente todos os seguidores. 

Nos meios políticos, embora às escondidas, pois parece que todos os políticos da cidade “borram as calças” quando falam o nome do “pregador”, também se fala que ele teria enfrentado problemas na cidade de Corumbá, na região do Pantanal, onde, hoje, seria “persona non grata”. 

Quando se abre o sítio supostamente abastecido de notícias pelo pastor o que se vê é uma infinidade de matérias atacando o governador do Estado, o prefeito, vereadores, secretários de estados e empresários da cidade. 

Apesar dessa faceta do site, comenta-se a boca pequena nos meios políticos, que a maioria dos 13 componentes da Câmara Municipal de Maracaju paga um “cala-boca” de R$ 300 para o pastor não falar mal deles ou para minimizar as matérias que vier a produzir contra os integrantes da Casa de Leis. 

Em nível de Mato Grosso do Sul ele ficou famoso quando emprestou o seu aparelho de celular ao deputado estadual Felipe Orro (PSDB), durante a festa de aniversário de Maracaju em 2015, mas não contou para o parlamentar que seu telefone era uma espécie de X-9: gravava todas as ligações. 

Orro, inocentemente, promoveu um diálogo sobre problemas que a Assembleia Legislativa enfrentava, à época, relacionados com a folha de presença dos servidores e, em 2016, próximo da eleição, o áudio foi parar no Correio do Estado criando constrangimento para os dois parlamentares que, a despeito do alarde que fez sobre a gravação, conseguiram a reeleição sem problemas e, hoje, Paulo Corrêa preside a Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. 

No site do Tribunal de Justiça, mais precisamente acessando a Comarca de Maracaju, encontram-se dois processos envolvendo o nome do referido pastor. Num dos processos, ele aparece como réu sob a acusação da prática de calúnia, mas curiosamente, ele, que adora conspurcar a imagem das pessoas enfocadas em suas matérias, aparece em um segundo processo como autor acusando seu desafeto de calúnia, injúria e difamação. 

Na Comarca de Campo Grande tramita uma ação de denunciação caluniosa tendo como autor o Ministério Público do Estado de Mato Grosso do Sul, produto de um Boletim de Ocorrência registrado no 3º Distrito Policial da Capital e que se transformou no Inquérito Policial número 268/2017 e evoluiu para a condição de Ação Penal de Procedimento Ordinário Criminal em face do recebimento da denúncia. 

Por fim, sobre o site em questão é correto afirmar que ele supostamente pertenceria ao referido pastor, pois, isso é voz corrente na cidade onde empresários e políticos tremem nas bases quando se comenta que “o pastor está na cola”. Porém, registre-se que não há no portal qualquer menção a um diretor, um jornalista responsável ou qualquer outra informação capaz de situar o internauta sobre quem seria o responsável pelo conteúdo veiculado sítio eletrônico. 

***