TRÊS LAGOAS| Município comemora hoje 105 anos nesta segunda-feira (15) - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

15/06/2020

TRÊS LAGOAS| Município comemora hoje 105 anos nesta segunda-feira (15)

©DIVULGAÇÃO
Uma das maiores e mais importantes cidades de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas celebra o aniversário de 105 anos nesta segunda-feira (15) de junho de 2020. Um momento diferente com o Novo Coronavirus Covid-19 causando uma pandemia Mundial que já contaminou 7,6 milhões de pessoas, e causando a morte de 423 mil. No Brasil 867.882 contaminados e 43.389 mortos. No Mato Grosso do Sul 3.433 casos e 31 mortos. Três Lagoas chegou a 1.305 casos notificados, destes, 178 deram positivo para a doença, porém 144 já se recuperaram, 05 foram a óbito.

Com esse “Novo Normal” as festas que aconteciam na semana do aniversário da cidade foram canceladas, como Rodeio Fest, Encontro de Bandas, Alvorada Festiva, Cavalgadas, Desfile Civico, etc. E na data de 15 de junho, para não passar em branco, a prefeitura estará realizando uma Live a partir das 8h, lembrando os momentos de aniversários anteriores.

História

Nascido como distrito do antigo município de Sant’Anna do Paranaíba (hoje Paranaíba), pela Lei 656, de 12 de junho de 1914, Três Lagoas permaneceu nessa condição por um ano. Torna-se vila por determinação da Lei 706, de 15 de junho de 1915, emancipando-se politicamente. Em 8 de agosto do mesmo ano, é elevado a município, com eleições para a presidência da Câmara Municipal.

Os sertanistas possuíam conhecimento avançado da natureza, para a sobrevivência e exploração, criando caravanas para povoar regiões afastadas do litoral.

Luís Correia Neves Filho, Antônio Trajano dos Santos e Protásio Garcia Leal são alguns dos sertanistas responsáveis pela colonização de Três Lagoas, na época chamada de Fazenda das Alagoas.

Em 1915, Três Lagoas foi oficialmente separada do município de Santana do Paranaíba, possuindo sede própria.

Há séculos, antes da colonização pelo homem branco, vivia na região do leste sul-mato-grossense, onde hoje se localiza a cidade de Três Lagoas, a tribo indígena dos Ofaié. Um grupo indígena da família Macro-Jê, os Ofaié descendem das civilizações indígenas do Chaco, na Bolívia.

Constituíam-se de coletores, caçadores e pescadores, e eram nômades nas terras localizadas entre os hoje denominados Rio Paraná e a Serra de Maracaju. A partir do século XVIII, a região de Três Lagoas e seus habitantes, os Ofaié, passaram a sofrer com as visitas dos bandeirantes paulistas, em excursões para reconhecimento de território.

Já em 1829, uma expedição enviada por João da Silva Machado, Barão de Antonieta, e chefiada por Joaquim Francisco Lopes, visando a expansão dos campos de pecuária do vale do Rio São Francisco, atravessou o Rio Paraná e fez contato com os índios, que eram dóceis.

Em 1830, foi a vez da bandeira de Januário Garcia Leal e outros sertanistas. Nessa mesma época, cria-se o arraial de Sete Fogos, hoje Paranaíba, ao norte da área de Três Lagoas, por José Garcia Leal, acompanhado de seus treze irmãos, suas respectivas famílias, empregados e escravos, fugindo de perseguições políticas. Pecuaristas então se estabeleceram, de lá, até o Rio Sucuriú, ao sul.

Os nativos da tribo Ofaié, então, limitaram-se a viver entre o Rio Sucuriú, ao norte, onde se encontravam os pioneiros, e a região do Rio Verde, ao sul. De meados do século XIX em diante, bandeirantes paulistas, que aos poucos se tornavam fazendeiros pecuaristas fixos, atravessaram o Rio Sucuriú e se estabeleceram na região de Três Lagoas, perseguindo e escravizando os ameríndios nativos.

Os Ofaié, que já eram nômades, afastaram-se da região onde se intersectam o Rio Sucuriú e o Rio Paraná, refugiando-se mais ao sul, entre a região do Rio Verde, onde hoje se encontra a cidade de Brasilândia, e a Serra de Maracaju.

Com a implantação das propriedades e a fixação dos marcos de posse, às margens dos rios, os paulistas demarcaram áreas extensas, de tal forma que logo encheram de grandes latifúndios a região, Rio Pardo a dentro, no rumo do Rio Vacaria e do Rio Brilhante, local que tiveram de abandonar momentaneamente com a Guerra do Paraguai.

Com o fim dessa guerra, os sertanistas voltaram, reunindo o restante dos rebanhos e novos povoadores, que gradativamente foram espalhando-se pela margem dos ribeirões Palmito, Moeda, Piaba, Pombo, Campo Triste e Brioso.

Em 1880 os principais proprietários de terras da região eram João Ferreira de Melo e Januário Garcia Leal, este último remanescente das bandeiras de penetração no Córrego da Moeda e no Taquarussu.

Na segunda metade da década de 1880, chegaram à região de Três Lagoas Protázio Garcia Leal, neto de Januário Garcia Leal e que se instalou na região da Piaba, às margens do Rio Verde, e Antônio Trajano dos Santos, que se instalou na região que chamou de Fazenda das Alagoas, em razão das três grandes lagoas ali existentes.

Destacaram-se, também, Necésio Ferreira de Melo, fundando uma propriedade agropastoril que denominou Piaba, em terras banhadas pelo Ribeirão Campo Triste; Antônio Ferreira Bueno, em Serrinha, hoje Garcias; Antônio Paulin Gentílico: treslagoense Formação Administrativa Distrito criado com a denominação de Três Lagoas, pela lei estadual nº 656, de 12-06- 1914, subordinado ao município de Santana do Paranaíba.

Elevado á categoria de vila com a denominação de Três Lagoas, pela lei estadual nº 706, de 15-06-1915, desmembrado do município Santana do Paranaíba.

Constituído do distrito sede. Instalado em 08-08-1915. Elevado à condição de cidade e sede do município com a denominação de Três Lagoas, pela resolução estadual nº 820, de 19-10-1920.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído do distrito sede. Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936, o município aparece constituído de 6 distritos: Três Lagoas, Água Clara, Alto Sucuriú, Chavantina, Véstia, Vila dos Garcias.

Assim permanecendo no quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943. Pelo decreto-lei federal nº 2104, de 02-04-1940, o distrito de Vila dos Garcias passou a denominar-se simplesmente Garcias. No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o distrito aparece grafado Xavantina e permanece no município de Três Lagoas.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 6 distritos: Três Lagoas, Água Clara, Alto Sucuriú, Garcias (ex-Vila dos Garcias), Xavantina (ex-Chavantina), Véstia. Pela lei estadual nº 676, de 11-12-1953, desmembra do município de Três Lagoas os distritos de Água Clara e Alto Sucuriú, para constituir o novo município de Água Clara.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 4 distritos: Três Lagoas, Garcias, Xavantina e Véstia.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960. Pela lei estadual nº 1970, de 14-11-1963, o distrito de Xavantina foi transferido do município de Três Lagoas para o novo município de Brasilândia.

Pela lei estadual nº 2067, de 14-12-1963, é criado o distrito de Arapuá e anexado ao município de Três Lagoas. Pela lei estadual nº 2112, de 26-12-1963, é criado o distrito de Ilha Comprida e anexado ao município de Três Lagoas.

Pela lei estadual nº 1307, de 28-11-1959, o distrito de Véstia tomou a denominação de Guadalupe do Alto Paraná. Em divisão territorial datada de 31-VII-1968, o município é constituído de 5 distritos: Três Lagoas, Arapuá, Garcias, Guadalupe do Alto Paraná (ex-Véstia) e Ilha Comprida.

Pela lei estadual nº 3737, de 04-06-1976, é criado o distrito de Selvíria com território do extinto distrito de Guadalupe do Alto Paraná anexado ao município de Três Lagoas.

Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído de 5 distritos: Três Lagoas, Arapuá, Garcias, Ilha Comprida e Selvíria.

Pela lei estadual nº 79, de 12-05-1980, desmembra do município de Três Lagoas o distrito de Selvíria. Elevado á categoria de município.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1983, o município é constituído de 4 distritos: Três Lagoas, Arapuá, Garcias e Ilha Comprida.

Pela lei nº , é criado o distrito de Guadalupe do Alto Paraná e anexado ao município de Três Lagoas. Não existe legislação para este distrito. Em divisão territorial datada de 1988, o município é constituído de 5 distritos: Três Lagoas, Arapuá, Garcias, Guadalupe do Alto Paraná e Ilha Comprida. Assim permanecendo em divisão territorial datada 2009.

Histórico da economia e crescimento em Três Lagoas

Durante suas primeiras décadas, Três Lagoas atuava apenas com a agricultura familiar, ou seja, o que era produzido nas terras locais eram destinadas para o consumo da própria população.

Aos poucos, a criação de gado começou a ganhar maiores proporções, colocando a pecuária como a principal atividade econômica da cidade.

A pecuária foi a primeira atividade responsável por fomentar a geração de emprego e renda no comércio local, incentivando a vinda de novos habitantes.

Ferrovia

De 1915 a 1930, o governo brasileiro, interessado na alavancagem das atividades econômicas no Mato Grosso, promoveu a criação de uma linha ferroviária ligando São Paulo ao interior de MG, com parada em Três Lagoas.

A instalação da linha férrea gerou novos empregos em Três Lagoas, proporcionando um novo período de crescimento para a cidade.

O engenheiro Oscar Teixeira Guimarães, da Noroeste do Brasil (NOB), empresa responsável pela criação da linha ferroviária, foi um dos responsáveis pela urbanização e delimitação de ruas e bairros em Três Lagoas.

Assim, foram planejados bairros quadriculados, com quadras em formatos quadrados simétricos, similares a um tabuleiro de xadrez. Durante a construção da malha ferroviária, a população de Três Lagoas era cerca de 9.000, passando a apenas 3.800 com o término das obras em 1930.

Hidrelétrica Engenheiro Souza Dias

Após uma época de estagnação econômica em Três Lagoas, a construção da hidrelétrica Souza Dias fomentou um novo período de crescimento da cidade, em 1964. A hidrelétrica também foi uma iniciativa governamental para a expansão das atividades econômicas do Mato Grosso, viabilizando a produção energética para alimentar a região com novas tecnologias e serviços, como saneamento básico e a criação de escolas.

A Companhia Energética de São Paulo (CESP) foi responsável pela criação de um bairro inteiro (a Vila Piloto), em formato de círculo, apenas para os trabalhadores da hidrelétrica, que chama atenção por seu formato até hoje, diferenciando das quadras perfeitamente simétricas.

Industrialização

Com o término da construção da hidrelétrica Souza Dias, na década de 1970, surgiu o interesse governamental de potencializar a industrialização da cidade, promovendo incentivos para a micros, pequenas e grandes empresas. A partir de 1997, Três Lagoas vivenciou um grande salto industrial e econômico, com a vinda de grandes empresas como celuloses e exportadoras.

A história de Três Lagoas nos dias atuais Três Lagoas se tornou a quarta maior cidade do Mato Grosso do Sul, sendo a cidade que mais exporta produtos no estado e a melhor cidade para se investir. Três Lagoas está vivenciando uma nova fase de crescimento acelerado, fomentado pelas novas fontes de investimentos públicas e privadas, com novas indústrias e empresas se instalando na região.

No geral, cresceram em número as empresas médias, que fornecem materiais para grandes indústrias, movimentando o polo industrial de Três Lagoas.

O futuro de Três Lagoas é escrito a cada novo dia, avançando uma história centenária de trabalho, conquista e crescimento.

População

Três Lagoas foi fundada em 15 de junho de 1915 e é considerada o terceiro município mais populoso do Estado com uma população de aproximadamente 121 mil habitantes segundo estimativa populacional do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) de 2019, comandada pelo Prefeito Angelo Chaves Guerreiro do PSDB, e possui a Câmara de Vereadores com 17 edis, tem como presidente André Bittencourt do PSDB. Popularmente conhecida como “Cidade das Águas”, Três Lagoas também é reconhecida como a “Capital da Celulose”.

Banhada pelos rios Sucuriú e Paraná e cercada por atrativos naturais, Três Lagoas também tem atrativos turísticos, como praias de água doce, pousadas, porto, balneário, lagoas e marina.

Economia

Com a expansão industrial, Três Lagoas disparou no ranking municipal e tornou a quarta maior economia de Mato Grosso do Sul. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o PIB do município somava, em 2019 (último dado).

Os trabalhadores do município recebiam, em 2019, o correspondente a 3,1 salários mínimos e a proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era de 32,2%. Na comparação com os outros municípios do Estado, ocupa a posição de quarto.

Com posição geográfica estratégica (no centro do País e vizinha da maior região consumidora, o Sudeste), Três Lagoas se transformou em principal polo industrial de Mato Grosso do Sul. Conforme dados do Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), o município responde por metade das exportações de industrializados do Estado.

No acumulado de janeiro a maio de 2019, Mato Grosso do Sul exportou US$ 2,195 bilhões em mercadorias. Dessa receita, 40,37%, o equivalente a US$ 4 de cada US$ 10 em produtos comercializados no mercado internacional, vieram da celulose, segundo dados do Ministério da Economia.

Conforme os dados, cresceu a exportação de celulose pelo estado tanto em volume quanto em receita, na comparação desde cinco meses, frente ao mesmo intervalo de tempo do ano passado. Em quantidade o incremento foi de 13,15%, de 1,631 milhão de toneladas para 1,846 milhão de toneladas. Já em faturamento a ampliação foi ainda maior, 20,95%, com o valor passando de US$ 732,829 milhões para US$ 886,362 milhões.

A totalidade desse produto foi embarcada a partir de Três Lagoas e responde pelo segundo maior montante exportado pelo Estado, atrás apenas do valor proporcionado pela soja, cujas vendas também têm contribuição do município do Bolsão.

Fábricas de Celulose

A Suzano

Conhecida antigamente como Fibria, e com a fusão passou a chamar Suzano, que no dia 30 de março de 2019 completou dez anos de operação em Três Lagoas.

Segundo a empresa, a comemoração dos 10 anos da Unidade Três Lagoas é uma oportunidade para celebrar os bons resultados obtidos em termos de produção e, principalmente, o fortalecimento do diálogo aberto e transparente com a comunidade e o poder público, bem como no investimento social da empresa.

“No primeiro ano de funcionamento da empresa, em 2009, o investimento social foi da ordem de R$ 327 mil, beneficiando 370 pessoas em dois municípios. Ao longo dos 10 anos, foi possível chegar a aproximadamente R$ 100 milhões investidos, com a ampliação dos projetos para todas as cidades do Estado onde temos operação florestal.”

Durante o período, foram plantados 412 mil de hectares de eucalipto e produção de celulose atingiu mais de 15 milhões de toneladas. Ainda foram entregues cerca de 50 milhões de m³ de madeira, volume que, empilhado, daria para ir e voltar oito vezes até a Lua, ou dar 147 voltas na Terra. Desde 2009, foram plantados 412 mil de hectares de eucaliptos, que equivalem a 2,7 vezes a área da cidade de São Paulo e 3,5 vezes a do Rio de Janeiro.

O quadro de colaboradores chegou a 6.000 pessoas – o dobro da época da inauguração – e o investimento social se aproxima de R$ 100 milhões em ações sociais que beneficiam cerca de 600 mil pessoas em nove cidades de Mato Grosso do Sul.

Eldorado Brasil

A fábrica da companhia possui capacidade nominal para produzir 1,5 milhão de toneladas de celulose por ano, mas em 2017 superou a marca de 1,7 milhão de toneladas produzidas, estabelecendo um novo patamar para a indústria localizada em Três Lagoas (MS).

Além do complexo industrial, a companhia possui uma vasta base florestal no Mato Grosso do Sul, onde ocupa uma área total superior a 230 mil hectares. Para dar suporte a esta robusta operação – que inclui ainda todo o time de logística, comercial e corporativo – a empresa conta com o trabalho de quase 4 mil pessoas.

A companhia também possui um viveiro em São Paulo, com capacidade de produção de 26 milhões de mudas de eucalipto por ano. A produção de toda a celulose da Eldorado Brasil está distribuída nos principais mercados consumidores do mundo, com destaque para a Ásia, destino de cerca de 40% de tudo o que é produzido na fábrica.

Foi fundada em 15 de junho de 2010 pela J&F Participações e pela MCL Participações no mesmo mês foi iniciada a construção da primeira fábrica da empresa e foi inaugurada em dezembro de 2012 na cidade de Três Lagoas no estado de Mato Grosso do Sul após um investimento total de 6,2 bilhões de reais e é a indústria de celulose mais competitiva do setor com produção anual superior a 1,7 milhão de toneladas.

No mês de fevereiro de 2011 a América Latina Logística e a Eldorado Brasil assinaram um contrato de 15 anos para transportar toda a celulose produzida pela empresa para os terminais portuários das cidade de Aparecida do Taboado e Santos, por ano seriam movimentadas cerca de 800 mil toneladas por ano. Em setembro de 2011 adquiriu a “Florestal Brasil” que atua no ramo de investimentos em áreas de reflorestamento.

No dia 15 junho de 2015 foi lançada a pedra fundamental do Projeto Vanguarda 2.0, ou seja, a construção de uma nova linha de produção de celulose no mesmo site industrial da planta inaugurada em 2012, na cidade de Três Lagoas (MS). Quando estiver pronta a segunda fábrica combinada com a primeira terá uma capacidade anual superior a 4 milhões de toneladas por ano.

Em dezembro de 2015 a empresa possuía 200 mil hectares de florestas plantadas.

Em junho de 2015, a Eldorado Brasil inaugurou um terminal portuário em Santos (SP). Com o investimento de R$ 90 milhões, a empresa busca maior competitividade nas operações logísticas, já que tem fortalecido sua presença no mercado internacional, já que as exportações representaram cerca de 90% das vendas totais em 2014, tendo como principais destinos China, Itália, Estados Unidos, Coreia do Sul e Alemanha.

A empresa é autossuficiente em energia, gerada a partir da biomassa oriunda da produção de celulose, a empresa também vende o excedente para indústrias localizados em Três Lagoas e para o mercado de energia, gerando uma faturamento adicional de R$ 90 milhões em 2014.

Em março de 2015 a empresa era controlada pela J&F Participações com uma participação de 80,90 por cento, seguida dos fundos de pensão Funcef e Petros cada um com 8,53 por cento, FIP Olímpia com 1,96 por cento e outros acionistas com 0,08 por cento. Foi vendida para o grupo holandesa Paper Excellence BV. O contrato de compra e venda foi assinado em setembro de 2017 e estabeleceu a transferência de até 100 por cento das ações pelo valor de 15 bilhões de reais. A operação será finalizada em até 12 meses.

Educação

Três Lagoas deu um avanço nessa área, entre as quais está a educação. Os alunos dos anos iniciais da rede pública do município tiveram nota média de 6,1 no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) em 2019, segundo o MEC (Ministério da Educação). Com esta nota, Três Lagoas ficou em 4º lugar em Mato Grosso do Sul.

A situação está mais crítica em se tratando do desempenho dos alunos nas séries finais. A nota, neste caso, foi de 4,7, o que deixou Três Lagoas em 32º posição entre os 79 municípios do Estado.

Saúde

A taxa de mortalidade infantil média na cidade é de 10.80 para 1.000 nascidos vivos. As internações devido a diarreias são de 0.8 para cada 1.000 habitantes.

Comparado com todos os municípios do estado, fica nas posições 35 de 79 e 52 de 79, respectivamente. Quando comparado a cidades do Brasil todo, essas posições são de 2932 de 5570 e 2710 de 5570, respectivamente.

Trabalho e Rendimento

Em 2017, o salário médio mensal era de 3.1 salários mínimos. A proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era de 32.2%.

Na comparação com os outros municípios do estado, ocupava as posições 4 de 79 e 4 de 79, respectivamente. Já na comparação com cidades do país todo, ficava na posição 152 de 5570 e 371 de 5570, respectivamente.

Considerando domicílios com rendimentos mensais de até meio salário mínimo por pessoa, tinha 30% da população nessas condições, o que o colocava na posição 74 de 79 dentre as cidades do estado e na posição 4669 de 5570 dentre as cidades do Brasil.

Território e Ambiente

Apresenta 52.6% de domicílios com esgotamento sanitário adequado, 95.6% de domicílios urbanos em vias públicas com arborização e 10.8% de domicílios urbanos em vias públicas com urbanização adequada (presença de bueiro, calçada, pavimentação e meio-fio).

Quando comparado com os outros municípios do estado, fica na posição 7 de 79, 40 de 79 e 32 de 79, respectivamente. Já quando comparado a outras cidades do Brasil, sua posição é 2122 de 5570, 810 de 5570 e 2710 de 5570, respectivamente.

Parabéns Três Lagoas, que os novos anos sejam de muita prosperidade e saúde, para essa população hospitaleira e trabalhadora, que leva o progresso a essa linda cidade.

Fonte: FATOS REGIONAIS