Só 58% dos contribuintes entregaram declaração do Imposto de Renda - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

12/06/2020

Só 58% dos contribuintes entregaram declaração do Imposto de Renda

Conforme a Receita, de um total de 173 mil contribuintes na Capital, ainda existem 73 mil que precisam declarar até o dia 30

©ILUSTRAÇÃO
A 18 dias do fim do prazo para entrega da declaração do IR (Imposto de Renda) 2020 à Receita Federal, apenas 58% dos contribuintes de Campo Grande informaram seus rendimentos e despesas à Receita Federal. A entrega começou em 2 de março e vai até 30 de junho. Inicialmente, o prazo acabaria no fim de abril, mas a data foi prorrogada por dois meses por causa da pandemia do novo coronavírus.

Conforme a Receita, de um total de 173 mil contribuintes na Capital, ainda existem 73 mil que precisam declarar até o dia 30 de junho, quando encerra o prazo estipulado pela Receita Federal. O órgão lembra que quem envia primeiro recebe a restituição logo nos primeiros lotes. São R$ 164 milhões a serem restituídos, ao longo do ano, na Capital. No Estado, são R$ 324 milhões, o que representa aproximadamente R$ 2.663,51 contribuintes.

A Receita Federal faz o pagamento desses valores de restituição do Imposto de Renda por lotes, ou seja, uma vez por mês. Em 2020, as restituições começaram no mês passado e vão até setembro. O critério do governo para distribuir os lotes são, primeiramente as pessoas com prioridades, ou seja, os idosos (a partir de 60 anos), prioritariamente para os maiores de 80 anos; os deficientes físicos ou contribuintes com doenças graves; e os professores, que possuem no magistério sua maior fonte de renda.

Depois, os lotes distribuem-se por ordem de entrega da declaração do Imposto de Renda: por isso a importância de enviar o mais cedo possível. Se o contribuinte está com alguma pendência no envio, o prazo começa a ser contado a partir da data de correção e não da primeira vez que foi realizada a declaração. Precisa declarar que recebeu rendimento tributáveis acima de R$ 28.559,70. 

Por Viviane Oliveira