Prefeitos reforçam inviabilidade de realizar eleições neste ano - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

02/06/2020

Prefeitos reforçam inviabilidade de realizar eleições neste ano

Senador Nelsinho Trad (PSD-MS) com Caravina em encontro em Brasília
A CNM (Confederação Nacional de Municípios) voltou a defender nesta terça-feira (2), durante videoconferência com prefeitos de Rondônia, a possibilidade de adiamento das eleições municipais deste ano por conta do risco de proliferação da Covid-19 (novo coronavírus). 

Esse mesmo posicionamento tem o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina, membro do Conselho Político da CNM, e prefeitos do Estado, que também já participaram de reunião por webconferência com a entidade municipalista.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), também já discutiu esse tema com os gestores sul-mato-grossenses.

Apesar de manifestações contrárias no Congresso Nacional, onde tramita a PEC n° 19/20 (Proposta de Emenda Constitucional) que pede a prorrogação dos atuais mandatos e a realização de eleições gerais em 2022, esse entendimento ganha força a cada dia desde o avanço da epidemia em várias regiões do país. 

De autoria do senador Wellington Fagundes (PL-MT), a PEC prevê a coincidência dos mandatos eletivos e teve assinatura de vários parlamentares, inclusive Nelsinho Trad (PSD-MS). 

O balanço diário divulgado pelo Ministério da Saúde nesta terça-feira trouxe 12.247 novas pessoas infectadas pela covid-19, totalizando 526.447 em todo país. 

O resultado marcou um acréscimo de 2,3% em relação a domingo (31), quando o número de pessoas infectadas estava em 514.200.

A atualização do Ministério da Saúde registrou 623 novas mortes, chegando a 29.937. O resultado representou um aumento de 2,1% em relação a ontem, quando foram contabilizados 29.314 falecimentos por covid-19. 

Em Mato Grosso do Sul, o número de casos confirmados da doença no Estado chega a 1.646, com 20 óbitos até agora, segundo a Secretaria de Estado de Saúde. 

Durante a reunião, o presidente da CNM, Glademir Aroldi lembrou que o processo eleitoral envolve direta e indiretamente milhões de pessoas de todas as regiões do país e a manutenção do calendário do pleito pode representar um risco enorme de aumentar a disseminação do novo coronavírus por conta das aglomerações.
Presidente da CNM, Glademir Aroldi, durante a videoconferência desta terça-feira
“Teríamos milhões de eleitores, mesários e milhares de candidatos. É um risco enorme ter tanta gente trabalhando e atuando na eleição. Sem contar que nem todas essas pessoas terão acesso aos equipamentos de proteção individual. Isso nos preocupa muito. Muitos especialistas em saúde estão falando em uma segunda onda do coronavírus, que seria mais grave do que a primeira. E o Brasil não chegou ainda à primeira onda. Uma eleição até o final do ano, provavelmente, ajudaria a ser responsável por essa segunda onda”, disse o líder municipalista.

Aroldi também lembrou que o fator econômico, agravado ainda mais com a pandemia, inviabiliza o pleito deste ano. 

“O Brasil numa situação normal não tem condições de bancar o custo alto da eleição em uma situação normal. Imagine em uma situação de pandemia como a que estamos vivendo neste momento”, reforçou.

Eleições virtuais

Cogitada nos últimos dias, a realização do processo de escolha de prefeitos e de vereadores por meio virtual foi rechaçada pelo presidente da CNM. 

Ele explicou que não existe estrutura em todas as cidades do país para realizar o pleito por meio dessa modalidade, o que comprometeria a democracia.

“Nós não podemos concordar com quem defende eleições virtuais no Brasil. O país tem mais de mil Municípios que não têm sinal de internet e tantos outros sem esse serviço adequado ou muito ruim. Isso acontece em todas as regiões. Propor uma eleição virtual é estar desconectado com a realidade. O pleito estaria comprometido”, considerou. Com informações da Agência CNM.

Por: Willams Araújo