POLITICANDO| Por: Jota Menon - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

06/06/2020

POLITICANDO| Por: Jota Menon


ÚLTIMO DIA 

A quinta-feira passada, 4 de junho, foi o último dia para que ministros, secretários de estado e secretários municipais deixassem seus cargos nas esferas administrativas que integram, caso desejem disputar algum cargo eletivo na eleição de outubro vindouro. Quem não se desincompatibilizar ficará inelegível. 

DEVE SAIR 

Em Maracaju, Lenilso Carvalho, ex-secretário municipal de Finanças, Administração e Planejamento, despediu-se de seus colegas de trabalho na Prefeitura Municipal de Maracaju. Pré-candidato a prefeito pelo MDB, Lenilso foi o braço direito do prefeito Maurílio Azambuja (MDB) na arte de manter as finanças maracajuenses bastante saudáveis, apesar da crise. 

HASHIOKA NA DISPUTA 

Quase dois meses após anunciar sua saída do comando da Secretaria de Administração e Desburocratização – SAD -, Roberto Hashioka foi exonerado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) do cargo na última segunda-feira, 1, para disputar eleição de prefeito de Nova Andradina, distante 300 quilômetros de Campo Grande. Ele já foi prefeito daquele município por três mandatos. Da última vez que comandou Nova Andradina não conseguiu a reeleição. Hoje é apontado como favorito na disputa. 

ANA, A NOVA TITULAR 

Apesar de o Governo do Estado ter anunciado no último dia 28 de abril que o secretário-adjunto Édio Viegas iria assumir a posição de titula da SAD, a sua nomeação não foi publicada no Diário Oficial, onde saiu, sim, a nomeação de Ana Carolina Nardes, que era secretária especial e agora passa a comandar a pasta. 

E AGORA BOLSONARO? 

A Agência Brasileira de Inteligência – Abin - adota, em documentos endereçados ao Palácio do Planalto e a ministérios, um discurso radicalmente oposto ao do presidente Jair Bolsonaro sobre a pandemia do Novo Coronavírus. Um lote de 47 relatórios diários, num total de 950 páginas, alertou o governo sobre a necessidade do isolamento social para conter a doença. Os documentos, obtidos pelo Estadão, também indicaram a falta de leitos de UTI e a elevada sub-notificação de casos de infectados e mortes por insuficiência de testes de diagnóstico. 

E AGORA BOLSONARO? (1) 

Com datas que vão de 27 de abril a 13 de maio, os relatórios abasteceram o gabinete de Bolsonaro, o Ministério da Saúde e o grupo liderado pelo chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, que acompanha o avanço da pandemia. O Centro de Coordenação de Operação do Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19 (CCOP), nome oficial do órgão, foi criado em março por Bolsonaro para tirar o protagonismo do então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. 

POR FALAR EM BOLSONARO... 

... Ele desembarcou domingo de manhã na Esplanada dos Ministérios e, sem usar máscara, cumprimentou apoiadores que estão em frente ao Palácio do Planalto participando de manifestação. Ele estava acompanhado pelo filho Flávio Bolsonaro, senador pelo Rio de Janeiro. 

... E AS CRÍTICAS AO SUPREMO 

Na manifestação, prevaleceram as críticas à atuação do Supremo Tribunal Federal (STF). Alguns manifestantes empunharam uma faixa pedindo “intervenção militar”. Há ainda uma bandeira que pede “intervenção no STF”. O STF tem sido alvo de ataques por parte de Bolsonaro e seus apoiadores após a Corte ter autorizado o cumprimento de mandados de busca e apreensão tendo como alvo bolsonaristas. Eles são investigados no inquérito das fake news. 

VIVA O PORCO! 

Essa semana foi especial. Aproveitei mais um domingo em casa e revi dois jogos de futebol históricos. O primeiro, na Globo, o repeteco da conquista inesquecível da Taça Libertadores de América de 1999 pelo inigualável, sensacional e espetacular Verdão do Parque Antarctica. Mais tarde, já no canal Sportv, revi a sonora goleada que a Alemanha aplicou no Brasil nas semifinais da Copa do Mundo de 2014. Como disse o comentarista do Sportv, nos 7 a 1 para a Alemanha, o Brasil marcou o gol mais inútil da sua história. Viva o Porco!

***