Em mês de conscientização sobre a importância da doação de sangue, beneficiários da Cassems falam das suas experiências com o ato de solidariedade - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

16/06/2020

Em mês de conscientização sobre a importância da doação de sangue, beneficiários da Cassems falam das suas experiências com o ato de solidariedade

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a doação de uma pessoa pode salvar até quatro vidas

©DIVULGAÇÃO
O mês de junho é marcado por campanhas de conscientização sobre a importância da doação de sangue. Em 14 de junho, é comemorado o “Dia Mundial do Doador de Sangue”, data determinada pela Organização Mundial da Saúde. Neste ano, em específico, o cenário de pandemia do Covid-19 traz a necessidade de abastecer os bancos de sangue para atender às vítimas do vírus. Doar sangue é rápido, fácil e um ato de solidariedade.

O músico Hugo Carneiro explica que tinha medo de agulhas, até que, em 2014, resolveu superar essa questão para doar sangue. “Saber que podemos ajudar pessoas que nunca vimos é emocionante. Anos depois que comecei a doar, vi a minha mãe precisando e vários amigos se mobilizando para ajudá-la, a sensação é indescritível”.

Para ele, o sentimento de solidariedade é um grande benefício no momento da doação. “Quando todos sentirem a alegria de poder doar e ajudar a salvar vidas com um simples ato, os bancos de sangue sempre terão um bom estoque”.

A publicitária Josiane Paganini conta que assistia às campanhas de doação de sangue na televisão e isso lhe dava vontade de doar. “Sempre quis ser doadora de sangue. No entanto, quando completei a idade mínima, não tinha o peso requerido. Também, demorei para ter a pressão arterial apropriada e tive que esperar até completar 20 anos”.

Ao completar 20 anos, Josiane iniciou uma tradição. “Desde então, eu doo sangue em todos os meus aniversários. Acho que isso significa muito, pois é alto tão pequeno, um gesto singelo e feito rapidamente, mas que pode salvar uma vida”.

Para ela, ajudar o próximo deve ser um compromisso de todos. “Nós não levamos nada dessa vida, então, se eu posso doar, por que não fazer?”.

Os requisitos para doar sangue são de ter entre 16 e 69 anos e pesar mais de 50kg. Também, é preciso apresentar documento oficial com foto e menores de 18 anos só podem doar com consentimento formal dos responsáveis. Pessoas com febre, gripe ou resfriado, diarreia recente, grávidas e mulheres no pós-parto não podem doar temporariamente. O procedimento para doação de sangue é simples, rápido e totalmente seguro. Não há riscos para o doador, pois os materiais utilizados na coleta do sangue não são reutilizados, o que elimina a possibilidade de contaminação.

Ainda, as recomendações para o procedimento são de estar bem alimentado, evitar alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem à doação de sangue. Também, aguardar duas horas, caso seja após o almoço e ter dormido ao menos 6 horas nas últimas 24 horas. 

Estar alimentado. Evite alimentos gordurosos nas 3 horas que antecedem a doação de sangue. Pessoas com idade entre 60 e 69 anos só poderão doar sangue se já o tiverem feito antes dos 60 anos. A frequência máxima é de quatro doações de sangue anuais para o homem e de três doações de sangue anuais para as mulher. O intervalo mínimo entre uma doação de sangue e outra é de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres.

ASSECOM