CRÔNICA| Quarentena e abstinência II - Jornal Correio MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

11/04/2020

CRÔNICA| Quarentena e abstinência II

©ILUSTRAÇÃO
A minha abstinente continua ativa. Parece que esqueceu os doces, inexistentes na casa, e até as palavras adocicadas estão raras em seu vocabulário. Mas, como eu disse, fica pela casa tentando imaginar, penso eu, em alguma estratégia que satisfaça a sua vontade de chocolates e sorvetes. 

O seu olhar intimidatório me recolheu ao fundo do armário, de onde posso ouvir seus movimentos. Parece que a minha ausência não foi sentida, tendo em vista que há barulho na cozinha. Posso ver, pelo orifício do armário, que ela passa, frequentemente, com um livro que me parece de culinária. Ouço o computador, quem sabe sintonizado no Youtube, de algum influencer falando sobre receitas. Mas a voz dela não é muito convidativa, porque o teclado do computador está frenético. 

Ela insiste em perguntar ao Google, com uma certa rispidez, no que é respondida, simpaticamente, pela mocinha, quanto à fabricação de açúcar caseiro. Com a resposta negativa, a sua exasperação começa a se manifestar. 

Ouço barulho na cozinha, o micro-ondas funcionando, a batedeira e outros aparelhos domésticos. Há um intervalo, um muxoxo de decepção e a privada é acionada. Não entendo bem a relação das coisas, mas, do fundo do armário somente posso fazer conclusões, e não são precipitadas. Qual seria a relação entre o barulho da cozinha e a descarga do banheiro, ou a relação seria ao contrário? Fico assustado. 

Quais os produtos que tenho em casa que poderiam lembrar produtos adocicados? Nas últimas compras, antes da quarentena, ela insistiu em comprar um detergente sabor jabuticaba. Pensei eu por que deveria comprar um detergente sabor jabuticaba? Pratos e panelas precisam de sabor para serem limpos? Mas, seria uma opção açucarada? 

A geladeira abre e fecha e o micro-ondas novamente está em ação. Ela solta uma expressão de satisfação, quando abre a geladeira. Logo depois vai até a privada e a aciona, volta ao micro-ondas, e volta até o banheiro. Tento estabelecer a relação entre as idas ao banheiro e a atividade na cozinha. 

Pensará ela em alguma relação de alquimia para poder fabricar um tipo de glicose? Só me resta esperar. 

A casa está em silêncio e sinto passos caminhando lentamente até o quarto, onde está o armário onde estou escondido. 

A porta, subitamente, abre, e ela me apresenta um copo com uma textura marrom, um pouco pegajosa e que não se movimenta. Ela introduz uma colher. O copo está gelado. Ela me diz, autoritariamente: 

- Beba! 

Eu respondo, timidamente: 

- Se você descobriu a fórmula caseira da glicose, saiba que a minha não pode correr risco. 

- Beba! Ela repetiu, sem piscar. 

Aquela substância marrom, pegajosa me causou um pouco de asco. Mas, eu respondi, corajosamente: 

- Parece m… 

- Isso mesmo, beba! 

A sua voz foi uma ordem e eu bebi, uma coisa estranha, uma misturada de coisas. Parecia ovo, yogurte desnatado e casca de kiwi, arrisquei. 

Ela disse: 

- Isso mesmo, uma mistura de tudo que eu achei em casa. 

E o pior é que parecia doce. 

- Na próxima, eu tenho que conseguir o sorvete, ela disse.

Por: Nilson Lattari