Projeto de Lei inclui no calendário oficial de MS o Dia Estadual do Intérprete/Tradutor da Libras - JORNAL CORREIO MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

08/10/2019

Projeto de Lei inclui no calendário oficial de MS o Dia Estadual do Intérprete/Tradutor da Libras

©DIVULGAÇÃO
O deputado estadual Pedro Kemp (PT-MS) apresentou nesta terça-feira (8) o PL (Projeto de Lei) que cria o Dia Estadual do Intérprete/Tradutor da Libras (Língua Brasileira de Sinais). A ideia surgiu da participação do professor/doutor, Adriano Gianoto, uma das principais lideranças dos surdos do Estado. A proposta é que a comemoração seja no dia em 30 de setembro, em alusão ao Dia Internacional do Tradutor/Intérprete de Libras.

O deputado faz questão de dialogar com os representantes das entidades, conhecedores da realidade enfrentada pelas pessoas com deficiência.

A Língua Brasileira de Sinais é meio legal de comunicação e expressão sendo oficialmente das comunidades surdas, imprescindível em vários espaços públicos. “O parlamentar, atuante na área da Educação Especial, pediu apoio para que os parlamentares aprovem a proposta “pela importância do profissional e reconhecimento como mais uma ferramenta de inclusão possibilitada através do PL do Legislativo”. A proposta agora segue para análise da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e em seguida para as duas votações no plenário. Se aprovado, o PL será enviado ao governo do Estado para que seja sancionado.

O Executivo sancionou este ano, a lei, proposta por Kemp e também produzida em parceria com a comunidade surda, que altera a matéria de reconhecimento da Libras como meio de comunicação em Mato Grosso do Sul. Com a mudança na legislação de 1996, as pessoas surdas ou com deficiência auditiva têm maior acessibilidade nos órgãos públicos com orientação de profissionais para fazerem a interpretação da Libras nos atendimentos públicos. “A nossa lei garante a ampla acessibilidade das pessoas surdas ou com deficiência auditiva aos serviços públicos, contribuindo, assim, para a tão almejada inclusão social dessa comunidade”.

Por: Jacqueline Lopes