CRÔNICA| Consertando asas de borboletas - JORNAL CORREIO MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

12/10/2019

CRÔNICA| Consertando asas de borboletas


Era azul e tinha asas poderosas. A sua beleza estava em ter tão grandes asas para um pequeno corpo. Do alto da janela, o seu voo parecia um pular constante em pontos imaginários. De súbito, se embaralhou em um galho que o vento carregou como uma armadilha da natureza. 

Por um momento, ela ficou estática, e aos poucos se movia como se fizesse pequenos esforços para ficar livre. Com o passar do tempo, os movimentos se tornaram mais fortes, e alguns pequenos pontos pretos, que compunham as suas cores, começaram a parecer sombras que aumentavam, como uma espada perfurante a fender o fino tecido das suas asas. 

O galho permanecia firme e indiferente, mas a minha indiferença começou a se assemelhar à indignação. Resolvi interferir na natureza e subi no pequeno arbusto para livrar a borboleta. Uma de suas asas tinha uma pequena abertura, e pensei comigo: podemos consertar asas de borboletas? 

Enquanto balançava levemente o galho, a borboleta se libertou e o seu voo, de início, perturbado, logo se aprumou, como se estivesse se acostumando a levar a força em uma das asas, já que não podia ter tanta certeza de poder contar com ela. De longe, a pequena fenda se misturou às cores da borboleta, como se mais uma cor, diferente das demais, passasse a fazer parte dela. 

Lendo sobre elas, aprendi que podem enxergar em 360º, e, portanto, ela sempre veria, a borboleta azul, o seu novo traço nas asas: a pequena cicatriz de uma batalha. 

Consertamos nossas asas de borboleta, aquelas que não vemos, escondidas dentro de nós. A beleza delas são as cicatrizes que não mostramos, frutos de uma luta que traçamos dia a dia. Algumas vezes, alguns anjos, desses perdidos no meio da multidão, que nos dá passagem nas entradas, nos dá a mão depois de uma queda, nos avisa de um perigo iminente, são os que nunca mais veremos, pessoas desconhecidas, e somos também, para elas, as vozes salvadoras de um pequeno agradecimento e bons dias ou boas tardes que nos acordam e nos fazem lembrar que alguém está preocupado com as asas de borboletas que trazemos, e não vemos. 

São esses pequenos gestos de gentileza que são capazes de consertar as nossas asas de borboleta e nos permitem aprender e confiar que podemos continuar voando. E as pequenas e grandes cicatrizes são as cores que guardamos nos consertos das nossas asas. 

E, principalmente, devemos descer das nossas janelas para ajudar a consertar asas de borboletas.

Por: Nílson Lattari

---