Deputado Fábio Trad insiste na inclusão de policiais na reforma da previdência - JORNAL CORREIO MS

LEIA TAMBÉM

Home Top Ad

02/07/2019

Deputado Fábio Trad insiste na inclusão de policiais na reforma da previdência

©Cláudio Basílio/Liderança PSD
“Tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais na exata medida de suas desigualdades”: evocando o princípio constitucional da igualdade o deputado federal Fábio Trad (PSD-MS) ratificou, no plenário da Câmara, seu voto favorável à inclusão dos policiais no regime especial reservado para as Forças Armadas no projeto da reforma da previdência.

O parlamentar aproveitou a ocasião para defender também a inclusão da guarda civil municipal no artigo 144 da Constituição Federal que determina as forças de Segurança Pública do país.

“Antecipo publicamente meu voto favorável à aposentadoria especial aos policiais, inclusive os federais, militares, rodoviários federais, bombeiros, com a inclusão dos guardas municipais no artigo 144 da Constituição Federal, uma vez que eles estão numa situação desigual. E desigualdade com desigualdade formam a isonomia, que é o preceito maior que deve ser atendido pela Constituição Federal”, disse em sua manifestação.

Segundo Trad, é preciso ter consciência de que sobretudo os policiais carregam em seus ombros uma responsabilidade desmedida, a despeito da precariedade de infraestrutura que enfrentam cotidianamente, o que precisa ser levado em consideração na reforma da previdência.

“A população, premida por essa propaganda, por segurança pública cada vez mais repressora, espera por segurança e deposita nos ombros dos policiais a perspectiva de ter uma vida pacífica. Só que os policiais não tem as condições estruturais necessárias para exercerem com proficiência seu mister. Sem uma polícia aparelhada não há segurança pública no Brasil”.

Como exemplo da difícil situação em que encontram-se os policiais no país, o deputado lamentou o caso do tenente-coronel da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, Oéliton Santana de Figueiredo, 44 anos, que suicidou-se com um tiro na cabeça na manhã desta segunda-feira (1) em sua casa.

Lotado na 5ª Companhia Independente de Polícia Militar, ele era filho do sargento da Polícia Militar reformado, Ilson Martins Figueiredo, executado a tiros de fuzil AK 47 no dia 11 de junho do ano passado, também em Campo Grande.

“A capital de Mato Grosso do Sul assistiu a mais um ato de suicídio, mais um policial militar, desta vez do tenente-coronel Figueiredo. Até quando”?

Em recente pesquisa conduzida pelo GEPeSP (Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção), da Uerj, sob a coordenação da cientista política Dayse Miranda, 10% dos policiais militares disseram ter tentado suicídio e 22% afirmaram ter pensado em suicidar-se em algum momento.

ASSECOM