Sobrinho de prefeito de MS é sequestrado em fazenda no Paraguai - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

20/11/2018

Sobrinho de prefeito de MS é sequestrado em fazenda no Paraguai

Exército do Povo Paraguaio - como é chamado o grupo invasor - já tinha matado 2 pessoas e queimado um trator no local em 2015

©DIVULGAÇÃO
Sete homens vestidos com roupas camufladas que seriam do EPP (Exército do Povo Paraguaio) invadiram uma fazenda na tarde desta segunda-feira (19) e sequestraram um brasileiro, que seria sobrinho do prefeito de Coronel Sapucaia, Rudy Paetzol. O grupo fez quatro pessoas reféns e três foram liberados.

A fazenda El Ciervo fica em Santa Rosa del Aguaray, no departamento de San Pedro, no Paraguai. A vítima levada seria Valmir De Campos, sobrinho de Rudy Paetzol, que é prefeito de Coronel Sapucaia e empresário na venda de lenha.

No momento do sequestro, a vítima transportava madeira na companhia de mais duas pessoas, quando foi abordada por membros do EPP. Os relatórios da polícia indicam que eles teriam invadido o local para queimar o veículo e um trator.

Luis Apesteguía, porta-voz da Força-Tarefa Conjunta, não confirmou nem descartou a sequestro, mas lembrou que no mesmo local em 2015, membros do Exército do Povo Paraguaio queimaram um trator e mataram duas pessoas.

Ainda de acordo com os investigadores, o incidente foi registrado às 15h dentro da fazenda El Ciervo. Os sete suspeitos estavam vestidos com roupas camufladas e armados.

Eles teriam abordado quatro trabalhadores, que o mantiveram reféns por várias horas, depois libertaram três, enquanto um, o brasileiro, ainda está desaparecido.

Os participantes da força tarefa, segundo o Lá Nacion vão entrar na manhã desta terça-feira (20) para verificar a área, que é considerada uma influência do EPP, uma vez que se teme que uma bomba tenha sido deixada no local.

Grupo suspeito de levar o brasileiro, já tinha invadido a fazenda em 2015, onde queimaram o trator da foto e mataram duas pessoas ©DIVULGAÇÃO

Fonte: campograndenews
Por: Danielle Valentim e Helio de Freitas, de Dourados