Senai capacita 35 trabalhadores para atender unidade da Biosev em Maracaju - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

09/12/2016

Senai capacita 35 trabalhadores para atender unidade da Biosev em Maracaju

Divulgação

O Senai de Maracaju promoveu, nesta quinta-feira (08/12), a formatura de 29 alunos do curso de mecânico de manutenção de máquinas agrícolas e 6 alunos do curso de manutenção de ar condicionado de máquinas agrícolas para atender a demanda da indústria sucroenergética Biosev no município, onde a empresa tem uma unidade.

O gerente do Senai de Maracaju, Antônio Carlos de Campos Faria, enxerga a formatura como uma oportunidade de crescimento para a comunidade. “A gente vivencia cada vez mais os gargalos da empregabilidade e sabe que ela só vai surgir para quem estiver preparado. Qualificação significa melhores chances para o mercado de trabalho” avaliou.

Ele destaca que a parceria com a Biosev é motivo de orgulho para o Senai. “A empresa confiou no nosso trabalho, concluiu que os profissionais que nós formamos são os profissionais que eles precisam dentro da empresa”, reforçou.
Divulgação

Para o superintendente da Biosev em Maracaju, Rodrigo Junko Douglas, a competitividade das empresas tem uma relação direta com a qualificação dos colaboradores. “Não existe outro caminho, podemos investir em bons equipamentos, no melhor maquinário, mas, se não houver o recurso humano preparado para essa tecnologia, para esse novo método de trabalho, não vai adiantar”, destacou.
Divulgação
O trabalhador Sebastião Oliveira Machado, de 50 anos, concluiu o curso de manutenção de ar-condicionado de máquinas agrícolas e elogiou a parceria do Senai com a Biosev. “Quanto mais iniciativas como essa existirem, melhor para o desenvolvimento do município. O que mais precisamos para crescer, hoje, é conhecimento. Ele pode nos ajudar a alçar voos altos”, garantiu.

Já o formando Romildo Rodrigues Santos, de 42 anos, concluiu o curso de mecânico de máquinas agrícolas e sabe que a capacitação é uma via de mão dupla, que beneficia tanto o profissional quanto a empresa. “Uma empresa com deficiência de mão de obra enfrenta dificuldades, assim como o trabalhador que não consegue inserção no mercado de trabalho”, disse.


Fonte: ASSECOM
Por: Daniel Pedra