ELEIÇÕES 2018| PF registra 9 flagrantes de irregularidades durante a eleição em MS - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

07/10/2018

ELEIÇÕES 2018| PF registra 9 flagrantes de irregularidades durante a eleição em MS

Foram registradas ocorrências de crimes eleitorais em Coxim, Campo Grande, Corumbá, Três Lagoas, Bonito e Bandeirantes

©Divulgação
Pelo menos oito pessoas foram presas e um adolescente apreendido, durante as eleições na manhã deste domingo (7) em Mato Grosso do Sul. Segundo informações da Polícia Federal e do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), foram registradas ocorrências de crimes eleitorais em Coxim, Campo Grande, Corumbá, Três Lagoas, Bonito e Bandeirantes.

Na Capital, duas pessoas foram levadas para a sede da Polícia Federal nas primeiras horas de votação pelos crimes de boca de urna e também compra de voto. Detalhes sobre os casos não foram divulgados.

Em Corumbá - cidade a 419 quilômetros de Campo Grande - uma pessoa foi presa por fazer propaganda irregular. No município de Três Lagoas, um adolescente foi encaminhado para a Delegacia da Infância e Juventude por ato infracional equivalente por boca de urna.

Bandeirantes também registrou dois casos de boca de urna, que foram enviados a delegacia do município. Na cidade de Coxim, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Flávio Duarte, foi detido ao ser flagrado espalhando santinhos na Rua Pereira Gomes, no Jardim Novo Mato Grosso.

Conforme o Edição MS, o flagrante foi feito pela Polícia Civil. O presidente ainda tentou fugir, mas foi capturado e levado para a delegacia. Na rua em que Flávio espalhava os santinhos fica a Escola Estadual Padre Nunes, o Marcelão, maior colégio eleitoral de Coxim.

Ainda segundo informações do TRE, em Bonito duas pessoas foram levadas à delegacia de Polícia Civil da cidade após serem flagradas bebendo em local público, isso em virtude da “lei seca”, que começou a valer no Estado a partir das 3h deste domingo. O prazo se estende até às 17h e proíbe o consumo de bebidas alcoólicas em estabelecimentos comerciais como bares e restaurantes.

Fonte: campograndenews
Por: Geisy Garnes, Gabriel Neris e Ricardo Campos