Junior Mochi diz que vai estudar mudanças na lei da reforma da previdência - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

27/09/2018

Junior Mochi diz que vai estudar mudanças na lei da reforma da previdência

©Rachid Waqued
“Se houver alternativa para alterar a lei da reforma da previdência, isso vai acontecer no meu governo. Não tem problema em alterar e isso precisa ser analisado”. O compromisso do candidato ao governo de Mato Grosso do Sul, Junior Mochi foi repetido em reunião com o Fórum dos Servidores do Estado.

Durante o encontro, Junior Mochi assinou carta de reivindicações apresentada pelos representantes dos servidores e assinou ofício onde compromete-se em abrir todos os mecanismos de diálogo para construir uma política justa e factível de valorização da categoria.

O candidato também entregou aos representantes da categoria um ofício onde se compromete em criar uma política salarial para os quatro anos de governo. “Isso vai acontecer para dar segurança e não haver a necessidade de discutir as reposições e reajustes todo o início de ano”, justificou.

No fim do ano passado, a Assembleia Legislativa aprovou e o governo do Estado sancionou a reforma que elevou as contribuições previdenciárias dos servidores. O projeto inicial previa que todos os servidores tivessem 14% descontados para a Previdência. Emendas apresentadas por Junior Mochi e aprovadas pela Assembleia mudaram a forma do desconto, que passou a ser válido somente para quem recebia acima do teto do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Com as emendas apresentadas por Junior Mochi, os servidores que recebem abaixo do teto previdenciário continuavam a pagar 11% de contribuição. Esses servidores representam 75% do total do Estado.

A correção da mudança tem sido a principal reivindicação dos servidores. Junior Mochi revela que o assunto precisa ser discutido para encontrar alternativas. Entre as possibilidades, afirma, está a análise de venda de ativos do Estado para regularizar o débito previdenciário. A decisão, contudo, só sairá após estudos realizados por comissão bipartite formada por representantes dos servidores e do próprio governo. “E reafirmo que meu primeiro ato como governador será me reunir com o Fórum dos Servidores. Serei o governador do diálogo”, enfatizou Junior Mochi.

ASSECOM