Quatro são presos por manter mulher refém durante roubo de caminhonete - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

28/06/2018

Quatro são presos por manter mulher refém durante roubo de caminhonete

Mulher foi abordada na noite de ontem (27), na Avenida Marechal Deodoro, no Bairro Guanandi, região sul da cidade

Quadrilha foi presa em flagrante enquanto mantinham vítima refém ©Divulgação/Batalhão de Choque
Mulher de 37 anos foi rendida por bandidos armados durante roubo de uma caminhonete Wolkswagen Amarok, na noite de ontem (27), na Avenida Marechal Deodoro, no Bairro Guanandi, região sul de Campo Grande.

Os autores: Dhionicklei Walta da Silva, 28 anos, Gleyson de Souza Rocha, 20 anos, Luis Henrique Gonçalves Brauna, 20 anos, e Thiago Amarilho Ramos, 22 anos, foram presos em flagrante. 

Conforme boletim de ocorrência, a mulher estacionou o veículo na via e foi ligar para o marido em um telefone público próximo, quando acabou abordada por homens armados a mandando ficar quieta. Com a conversa interrompida, o marido percebeu a situação do outro lado da linha e acionou a Polícia Militar.

Os policiais, então, em rondas no entorno do local onde a mulher foi levada conseguiram encontrar a caminhonete estacionada, na Avenida Gunter Hans, no sentido oposto. Todos foram abordados e presos. Dhionicklei e Gleyson mantinham a vítima refém no banco traseiro. Uma pistola calibre 380 foi encontrada no assoalho do carro com numeração raspada e municiada com oito cartuchos.

À polícia, a mulher confirmou que foi abordada por Luiz Henrique e Gleyson no momento em que falava com o marido. Luiz Henrique era quem estava armado e a ameaçou. Já Gleyson assumiu a direção da caminhonete.

Durante o trajeto, os bandidos diziam que a qualquer momento matariam a vítima enquanto falavam ao telefone com outro integrante da quadrilha. Eles haviam combinado o local que entregariam a caminhonete.

Dhionicklei receberia R$ 5 mil para levar sozinho a caminhonete até a Bolívia. Thiago receberia R$ 1 mil. Luiz Henrique e Gleyson R$ 500, cada um. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) da Vila Piratininga.

Fonte: campograndenews
Por: Viviane Oliveira