Capital continua entre as 3 cidades com mais moradores acima do peso - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

19/06/2018

Capital continua entre as 3 cidades com mais moradores acima do peso

O número de obesos diminui, se comparado a balanço de 2017. A Capital é a terceira colocada no índice de obesidade do país.

A Capital aparece na lista do Ministério da Saúde em terceiro lugar com (23,4%), atrás de Macapá (23,6%) - Arquivo
Depois de liderar o ranking de cidade com maior número de obesos e perder o posto em 2017 caindo para a "vice-liderança" Campo Grande, agora, é a terceira colocada dentre as cidades com maior índice de obesidade do país. 

A Capital aparece na lista do Ministério da Saúde em terceiro lugar com (23,4%), atrás de Macapá (23,6%) e Manaus que assumiu o ranking como a capital com o maior índice de obesos (23,8%). A média geral de obesidade entre brasileiros ficou em 18,9%.

Os dados são da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) e foram divulgados hoje (18) pelo Ministério da Saúde. O índice de obesidade é maior entre as capitais das regiões Norte e Centro-Oeste.

Na ponta de baixo do ranking figuram as cidades de Florianópolis (15%), Distrito Federal (15,3%), Teresina (15,7%), Palmas (15,9%) e Belo Horizonte (16,4%).

Já a ocorrência do sobrepeso está mais distribuída entre as regiões. Entre as capitais, o maior índice registrado pelo Ministério da Saúde foi em Campo Grande (59,8%). Em seguida vêm Porto Velho (58,8%), Maceió (58,7%), Manaus (57,6%), Cuiabá (57,4%) e Rio de Janeiro (57%). A média geral entre as capitais pesquisadas foi de 54%.

As capitais com menor ocorrência de sobrepeso são Palmas (46,9%), Distrito Federal (47,6%), Teresina (48,3%), São Luís (49,5%) e Florianópolis (49,8%).

Pesquisa

A Vigitel é realizada com maiores de 18 anos em 26 capitais e nos Distrito Federal. Foram entrevistadas 53 mil pessoas entre fevereiro e dezembro de 2017.Ou seja, o levantamento não registra os hábitos e tendências de pessoas que moram em cidades do interior do Brasil.

Por: Jonas Valente, da Agência Brasil

Imprimir