RIBAS DO RIO PARDO| Promotor fala sobre abuso e exploração sexual, no Centro Social - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

18/05/2018

RIBAS DO RIO PARDO| Promotor fala sobre abuso e exploração sexual, no Centro Social

O evento teve como objetivo a lembrança do dia 18 de maio, marcado como "O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes"

© Divulgação

Na última quinta-feira (17) o Promotor de Justiça de Ribas do Rio Pardo, George Zarour Cezar, ministrou uma palestra no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – Centro Social Brasil Criança Cidadã sobre abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. O evento teve como objetivo a lembrança do dia 18 de maio, marcado como "O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes".

Segundo Cezar, a palestra serviu como um mecanismo para conscientizar pais e responsáveis sobre os casos de abuso que muitas vezes acontecem dentro de casa. "É preciso orienta-los a procurar os órgãos de proteção, assim como policiais e Ministério Público para coibir situações como esta."

Ele lembrou ainda que no Brasil ainda existe um número muito elevado de casos de abuso e exploração de crianças e adolescentes. Em Ribas do Rio Pardo as estatísticas refletem o que acontece no país. "Por isso é tão importante a conscientização."

Apesar dos casos, as denúncias também aumentaram, segundo o promotor. "Quanto mais a população tem conhecimento dos seus direitos, mais estas situações chegam ao conhecimento das autoridades. Assim aconteceu com a Lei Maria da Penha. Temos a impressão de que aumentaram os casos, porém, na verdade, aumentaram as denúncias.

NÃO SE CALE

As situações de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes devem chegar ao conhecimento das autoridades o mais rápido possível. Isto pode ser feito através do Disque 100, que é o número nacional para o combate a estes crimes.

Cesar explica que qualquer pessoa pode procurar também o Conselho Tutelar, assim como delegacias ou o Ministério Público para denunciar. "Órgãos como CREAS [Centro de Referência Especializado de Assistência Social] e CRAS [Centro de Referência de Assistência Social] são orientados a procurarem as autoridades se surgirem indícios de que as crianças ou adolescentes estão em risco."

ASSECOM