Mesmo após acordo, caminhoneiros mantêm 37 pontos de interdição em MS - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

25/05/2018

Mesmo após acordo, caminhoneiros mantêm 37 pontos de interdição em MS

Conforme a Polícia Rodoviária de Federal, é possível que durante o dia as lideranças que assinaram o acordo convençam parte dos caminhoneiros a deixar o movimento

Localizado no anel viário, pátio do Posto Caravágio é um dos locais onde caminhoneiros se concentram em Campo Grande ©Fly Drones
Mesmo após acordo com o governo federal, anunciado na noite de ontem (25), os caminhoneiros mantêm 37 pontos de interdição em rodovias federais de Mato Grosso do Sul. Apenas em Guia Lopes da Laguna, distante 227 quilômetros da Capital, o protesto foi desmobilizado.

Na BR-163, uma das mais movimentadas do Estado, há interdição em Mundo Novo (km 20), Eldorado (km 39), Naviraí (km 117), Caarapó (km 206), Dourados (km 256, 266 e 281), Douradina (km 288), Rio Brilhante (km 323), Campo Grande (km 462, 477 e 492), Bandeirantes (550), São Gabriel do Oeste (km 614 e 618), Rio Verde de Mato Grosso (678), Coxim (730) e Sonora (812 e 837). Na região de Sonora, o tráfego de veículos de passeio está livre.

Conforme a PRF (Polícia Rodoviária de Federal), é possível que durante o dia as lideranças que assinaram o acordo convençam parte dos caminhoneiros a deixar o movimento. Ontem, após sete horas de reunião, representantes do governo e entidades de caminhoneiros, anunciaram a suspensão, por 15 dias, das interdições nas rodovias do país.

Em troca, a Petrobras mantém a redução de 10% no valor do diesel nas refinarias por 30 dias enquanto o governo costura formas de reduzir os preços. A Petrobras mantém o compromisso de custear esse desconto, estimado em R$ 350 milhões, nos primeiros 15 dias. Os próximos 15 dias serão patrocinados pela União.

O protesto dos caminhoneiros contra o aumento do diesel provoca transtorno e desabastecimento de combustíveis e de vários produtos em Mato Grosso do Sul. A mobilização, que começou a repercutir no domingo (20), entrou no 5º dia nesta sexta-feira (25).

A categoria quer a redução da carga tributária sobre o diesel. Reivindica a zeragem da alíquota de PIS/Pasep e Cofins e a isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). Impostos representam quase a metade do valor do diesel na refinaria. A carga tributária menor daria fôlego ao setor, já que o diesel representa 42% do custo da atividade.

Fonte: campograndenews
por: Viviane Oliveira