Caravina é empossado no Conselho de Representantes Regionais da CNM - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

23/05/2018

Caravina é empossado no Conselho de Representantes Regionais da CNM

Caravina (camisa salmão) é empossado conselheiro regional da CNM ©Edson Ribeiro
O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina, tomou posse nesta quarta-feira (23) no Conselho de Representantes Regionais da CNM (Confederação Nacional de Municípios), que trocou de comando. 

O ex-prefeito de Saldanha Marinho, Glademir Aroldi, assumiu a presidência da entidade municipalista em substituição a Paulo Ziulkoski, que estava há 21 anos à frente da direção. 

Além dele, assumem os cargos de 1º secretário, Hudson Brito, e 2º secretário, Eduardo Tabosa. Para 1º tesoureiro, Jair Souto, e como 2º tesoureiro, João Gonçalves Junior. 

O conselho fiscal da entidade será composto por Jonas Moura de Araújo, Expedito Nascimento e Christiano Cavalcante, como titulares. Como suplentes estarão: Pedro Henrique Machado, Marilete Vitorino e Cleomar Cunha. 

Caravina, que lidera caravana de 55 prefeitos de Mato Grosso do Sul durante a XXI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, é o representante da Região Centro Oeste, ao lado do colega Rafael Machado. Ele já na atuava na função durante o mandato de Ziulkoski. 

A indicação de Caravina deve-se a sua atuação marcante em defesa do municipalismo, sobretudo, ao poder de liderança que exerce como agente político com visão inovadora, cujo município que administra, Bataguassu, se destaca no ranking entre as 100 melhores cidades do país em gestão pública, colocando-se na 30ª posição e em 1º lugar em Mato Grosso do Sul. 

O titular da Região Norte será Francisco Aguiar da Silva e o suplente Wagne Machado. O titular da Região Sul será Marcel Henrique Micheletto, com suplência para Alcides Mantovani. Já a Região Sudeste, terá como titular Daniela de Cássia Brito, cujo suplente será Luciano Salgado. Para a Região Nordeste, Rosiana Beltrão Siqueira, será a titular e o seu suplente Roberto Bandeira. 

DISCURSO 

No discurso de posse durante a XXI Marcha a Brasília, Aroldi destacou o papel de Ziulkoski na organização da entidade e na defesa de uma pauta municipalista, assumindo o compromisso de dar continuidade ao perfil de atuação do presidente que deixa a função. 

Para um público que lotava as dependências do CICB (Centro Internacional de Convenções do Brasil) no final da manhã, Aroldi afirmou que prosseguirá a luta da CNM em defesa dos municípios, que nos últimos 21 anos resultou em conquistas de R$ 656 bilhões às administrações municipais. 

“A CNM que assumimos, junto com os companheiros municipalistas, com a responsabilidade de orientar a caminhada a partir de agora, é uma referência nacional para diversos segmentos, uma entidade que transformou em conquistas dezenas de bandeiras do movimento municipalista”, disse Aroldi. 

Além dos resultados obtidos, Aroldi também apontou o respeito conquistado pela CNM perante os poderes Executivo e Legislativo, tanto em função da legitimidade dos seus pleitos quanto em decorrência da postura e das orientações estratégicas seguidas. A opção por evitar vinculações “religiosas, partidárias, clientelistas ou ideológicas” pavimentou, conforme o novo presente, o caminho da autonomia. 

Para Aroldi, a independência financeira também foi um elemento “capaz de assegurar que os princípios do Movimento Municipalista e suas lutas não se vergam jamais às investidas demagógicas, eleitoreiras e interesseiras de quem pensa em utilizar esta bandeira no favorecimento pessoal ou de grupos”. 

Parte da fala do novo presidente foi usada para salientar o perfil de Ziulkoski, sobretudo a respeitabilidade e o exemplo. Aroldi reconheceu a dificuldade de substituir o ex-prefeito de Mariana Pimentel. 

“A consolidação do Movimento Municipalista Brasileiro como instrumento de defesa da população, e que em todos os momentos busca a melhoria da qualidade da vida das pessoas através da qualificação dos governos locais, passou indiscutivelmente pela atuação destemida e preparada da nossa maior liderança, o presidente Paulo Ziulkoski”, disse. 

Para Aroldi, a construção da nova sede, inaugurada em 2017, é símbolo da força e da capacidade de organização da CNM nos últimos anos. 

Ao comentar suas propostas de gestão, Aroldi salientou a necessidade de aprimorar o pacto federativo, com justiça e equilíbrio, aproveitando a oportunidade política aberta pela eleição de 2018. 

Ele convocou os integrantes do movimento a cobrar apoio dos candidatos, nos seus redutos eleitorais, à aprovação da pauta dos municípios, pressionando para que alguns pontos sejam votados ou decididos ainda este ano. 

Na lista de prioridades, Aroldi colocou, além da pauta legislativa, a concretização do encontro de contas da dívida previdenciária com o governo federal, o julgamento positivo e a liberação de recursos dos royalties do petróleo, travado no STF (Supremo Tribunal Federal), e a compensação adequada pelas perdas da Lei Kandir, entre outros itens. “Precisamos e vamos lutar por uma divisão tributária mais justa”, defendeu. 

No início do mandato, o novo presidente também pretende concentrar-se, com o respaldo político e institucional do demais integrantes da diretoria, na regulamentação dos programas federais através de lei, o estabelecimento de critérios razoáveis no reajuste do piso do magistério e a revitalização do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação ), além do “repasse de recursos que assegurem as condições necessárias para prestarmos serviços de qualidade a nossa população”. 

Aroldi foi eleito em março de 2018. No discurso de posse, também lembrou a sua trajetória e a vivência pessoal na realidade municipalista, com as eleições para vereador e prefeito da cidade de Saldanha Marinho. Nos anos de 2006 e 2007, Aroldi esteve no comando da Famurs (Federação das Associações dos Municípios do Rio Grande Grande do Sul). 

Naquela época, ele conduziu uma mobilização para pressionar o governo por mais recursos para o transporte escolar. Durante o período que vai de 2018 até 2021, ele irá conduzir as ações do movimento municipalista juntamente com líderes eleitos. O 1º vice-presidente é Julvan Lacerda; o 2º vice-presidente é Eures Pereira; o 3º vice-presidente, Jairo Mariano; e o 4º vice-presidente, Haroldo Naves. 

ASSECOM (Com informações da Agência CNM)