Projeto de Lei do deputado Dr. Paulo Siufi que regulamenta farmácia clínica passa em 2ª votação na ALMS - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

22/03/2018

Projeto de Lei do deputado Dr. Paulo Siufi que regulamenta farmácia clínica passa em 2ª votação na ALMS

O parlamentar informou que o projeto de lei não autoriza o farmacêutico a trocar a prescrição de qualquer medicamento

© Adriana Viana
Foi aprovado por unanimidade na sessão parlamentar desta quinta-feira, 22, o Projeto de Lei 244/2017, de autoria do deputado estadual Dr. Paulo Siufi (MDB), que regulamenta os serviços clínicos farmacêuticos em Mato Grosso do Sul. Na prática, após a sanção da lei, o farmacêutico especializado em farmácia clínica poderá orientar o cliente com relação ao receituário prescrito – sem alterar a prescrição médica, com objetivo de adequar as farmácias clínicas dentro das farmácias do Estado.

De acordo com Dr. Paulo Siufi, esse procedimento já está estabelecido no Conselho Federal de Farmácia e visa exclusivamente a orientação ao paciente sobre reações adversas, alergias a componentes, interação medicamentosa e até mesmo a quantidade a ser adquirida para evitar desperdício e descarte incorreto do produto ou futura automedicação. “O farmacêutico tem mais conhecimento da farmacologia dos medicamentos do que qualquer outro profissional. Será uma consulta orientativa para que se possa diminuir o excesso de medicamentos que são consumidos, dando a quantidade correta para o cliente, como também os riscos de causar algum efeito colateral, se pode ser administrado junto a outros que o paciente já esteja fazendo uso”, explicou o parlamentar.

O parlamentar informou que o projeto de lei não autoriza o farmacêutico a trocar a prescrição de qualquer medicamento. “Vale lembrar que é proibida a substituição de qualquer medicamento prescrito pelo profissional médico. Deixei isso bem claro: é vedado no artigo quinto do projeto”, ressaltou o deputado.

Agora o projeto de lei será encaminhado para análise do Governo do Estado.

Fonte: ASSECOM
Por: Adriana Viana