Prêmios de loterias não resgatados somam R$ 326 milhões em 2017 - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

23/01/2018

Prêmios de loterias não resgatados somam R$ 326 milhões em 2017

Valor equivalente a cerca de 8% do valor ofertado em prêmios pela Caixa. Nos últimos 4 anos, ganhadores de loterias deixaram de sacar R$ 1,26 bilhão no país.

© Divulgação
Ganhar na loteria não é facil. Mas ser premiado e não retirar o valor é mais comum do que pode parecer. Somente em 2017, R$ 326 milhões deixaram de ser resgatados por ganhadores de prêmios de loterias no Brasil, segundo a Caixa Econômica Federal. O valor equivale a cerca de 8% dos mais de R$ 4,2 bilhões ofertados em prêmios pelas Loterias Caixa no ano passado.

Nos últimos 4 anos, os valores não retirados pelos ganhadores esquecidos ou desatentos na Mega-Sena, Lotofácil, Quina, Lotomania, Timemania, Dupla Sena, Loteca, Lotogol e Federal somam R$ 1,26 bilhão. Veja gráfico abaixo:

Dinheiro é repassado para o Fies

Pelas regras das loterias, os ganhadores de qualquer um dos sorteios da Caixa tem até 90 dias após a realização do concurso para retirar o valor do prêmio. De acordo com a Caixa, "o dinheiro dos prêmios prescritos (não resgatados no prazo) é repassado integralmente ao Fundo de Financiamento Estudantil (FIES). O programa oferece créditos para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas.

Explicação da Caixa

A Caixa não divulga o detalhamento dos prêmios não resgatados, por modalidade ou faixa de valor, mas informa que a maioria do montante refere-se a pequenos valores.

"Na maioria das vezes, esse montante decorre da soma de prêmios de pequeno valor, entre as faixas de menores premiações em cada modalidade", informou o banco.

Questionada pelo G1, a Caixa não informou o maior valor de prêmio não resgatado em 2017. "Os sistemas Caixa somam os valores eventualmente não reclamados e no mês subsequente à prescrição realiza o repasse ao FIES, e desta forma, não dispomos de consulta estruturada por faixa de premiação".

O banco explicou que procura "constantemente" informar e esclarecer os apostadores acerca dos prazos e formas de recebimento dos prêmios. "Para divulgação das informações de recebimento de prêmios são utilizados cartazes nas casas lotéricas, volantes de aposta, bilhete original de aposta e o site da Caixa", explicou.

Dos 17 acertadores da Mega-Sena da Virada, a Caixa informou que duas das 22 cotas do bilhete premiado em Belém ainda não tinham sido resgatadas até segunda-feira (22). Os dois ganhadores 'esquecidos' tem até o final de março para retirar o prêmio individual de R$ 820 mil.

Segundo balanço da Caixa, as loterias federais arrecadaram R$ 13,88 bilhões em 2017. O valor representa uma alta nominal de 8,14% em relação ao mesmo período de 2016 (R$ 12,85 bilhões), mas ainda ficou abaixo da marca recorde de 2015, quando a venda de bilhetes somou R$ 14,9 bilhões.

Dentre as modalidades, a Mega-Sena seguiu em 2017 como o jogo preferido dos apostadores, sendo responsável por 42% da arrecadação, seguida pela Lotofacil (26%) e Quina (18%).

O grande destaque do ano foi a Mega da Virada, que ofereceu o maior prêmio da história das loterias da Caixa. Os R$ 306,7 milhões foram divididos entre 17 apostadores, quantidade também recorde para o concurso especial, que ainda registrou a maior arrecadação por concurso, de mais de R$ 890 milhões.

Além dos mais de R$ 4,2 bilhões ofertados em prêmios pela Caixa no ano passado, outros R$ 6,5 bilhões foram destinados aos cofres do Tesouro Nacional, sendo R$ 1,08 bilhão arrecadados diretamente como Imposto de Renda sobre os prêmios pagos, R$ 1,29 bilhão para a Educação e R$ 1,06 bilhão para o Esporte.

Pelas regras das loterias federais, uma parte do valor arrecadado com as apostas é repassado ao governo federal e para as áreas de educação, segurança, cultura e esporte.

Confira abaixo os valores repassados em 2017 para o governo federal e áreas sociais:

Esporte

  • Ministério do Esporte: R$ 525,1 milhões
  • Clubes de Futebol: R$ 114,6 milhões
  • Comitê Olímpico Brasileiro (COB): R$ 223,8 milhões
  • Comitê Paraolímpico Brasileiro (CPB): R$ 131,7 milhões
  • Confederação Brasileira de Clubes (CBC): R$ 62,5 milhões
Educação

  • Fundo de Investimento do Estudante Superior (FIES): 1,29 bilhão
Cultura

  • Fundo Nacional da Cultura (FNC): R$ 384 milhões
Segurança

  • Fundo Penitenciário Nacional (Funpen): R$ 417 milhões
Seguridade

  • Seguridade Social: R$ 2,3 bilhões
Outros

  • Saúde e Testes Especiais (APAE e Cruz Vermelha): R$ 14,7 milhões
Receita Federal

  • Imposto de Renda sobre prêmios pagos: R$ 1,07 bilhão

Por Darlan Alvarenga, G1