Aécio rechaça crítica de fisiologismo feita por Tasso - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

11/11/2017

Aécio rechaça crítica de fisiologismo feita por Tasso

Na última quinta-feira (9), senador mineiro reassumiu a presidência do partido para destituir o cearense do cargo de interino

© Marcos Oliveira/Agência Senado
O senador Aécio Neves (MG) rebateu neste sábado (11) as críticas feitas pelo senador Tasso Jereissati (CE) de que ele apoiava o "fisiologismo" ao defender a permanência do PSDB no governo do presidente Michel Temer.

"Não posso aceitar agora essa pecha que alguns querem colocar de que a presença do PSDB [no governo] é fisiológica. Ela não é", disse o mineiro sem fazer menção direta ao autor das críticas.

"Quando eu próprio aventei o nome do senador Tasso Jereissati para ao Ministério do Desenvolvimento Econômico isso não era visto como algo fisiológico", rebateu.

A fala é uma resposta à declaração dada na véspera pelo senador cearense, que acusou o mineiro de apoiar o "fisiologismo" do atual governo.

Aécio disse que na montagem do governo Temer ele defendia que o PSDB apoiasse sem participar, mas que as indicações do partido para os ministérios se deu por decisão "majoritária" da sigla.

Os tucanos ocupam atualmente quatro pastas na Esplanada: Secretaria de Governo (Antonio Imbassahy), Relações Exteriores (Aloysio Nunes), Cidades (Bruno Araújo) e Direitos Humanos (Luislinda Valois).

"No momento das indicações todos foram levantados foram tratados pelo partido como representantes legítimos do partido", lembrou.

Aécio disse ainda que a decisão da legenda de entrar no governo Temer não se deu por fisiologismo, mas por "responsabilidade", disse, repetindo que o PSDB defende a agenda de reformas que o Palácio do Planalto vem tentando implementar.

Ele acusou ainda a ala do partido chamada de "cabeças pretas" - por ser formada majoritariamente por políticos mais jovens - de buscar no discurso de desembarque do governo uma desculpa para não votar a favor de projetos como a Reforma da Previdência.

"Devo registrar que vejo boa parte da discussão daqueles que estão com a garganta pronta para gritar 'fora Temer' uma desculpa para não votar agenda de reformas necessárias ao país", disse.

Ainda sobre o desembarque do governo, Aécio disse que esse assunto deve ser resolvido "rapidamente" pelos candidatos à presidência do partido junto com os ministros tucanos.

DISPUTA

Na última quinta-feira (9), Aécio reassumiu a presidência do partido para destituir Tasso do cargo de interino. Em seu lugar, indicou o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman sob a argumentação de que isso traria"isonomia" para a disputa pelo comando da sigla.

Aécio e Tasso têm travado uma batalha sobre a sucessão no partido e o apoio do PSDB ao governo.O partido define em 9 de dezembro seu próximo presidente, que deve ocupar o cargo pelos próximos dois anos, inclusive no ano eleitoral.

O gesto do mineiro irritou Tasso e seus aliados e agradou o governador de Goiás, Marconi Perillo, que disputa com o senador cearense a presidência do PSDB.

Aécio repetiu que fez a mudança com a mesma responsabilidade de quanto indicou Tasso ao cargo em maio.Ele se licenciou da presidência logo depois de ter vindo à tona uma gravação em que ele pede R$ 2 milhões ao empresário e delator Joesley Batista.

Em nova crítica a Tasso, ele disse que não esperava indicar alguém que fizesse da interinidade "para lançar sua candidatura".

As declarações de Aécio foram feitas em Belo Horizonte, onde ele acompanhou a convenção estadual do partido em Minas. A sigla reelegeu o deputado Domingos Sávio para comandar sua unidade mineira.

O partido realiza neste fim de semana as convenções regionais, cujo resultado será um indicativo sobre o peso dos candidatos na disputa nacional, em dezembro. 

Fonte: NAOM - Com informações da Folhapress.