Deputados dizem que ano eleitoral não vai interferir no apoio da base - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

10/10/2017

Deputados dizem que ano eleitoral não vai interferir no apoio da base

Governador disse que esperava apoio, mesmo com alguns partidos em lados opostos

Deputados Herculano Borges e Renato Câmara, durante sessão na Assembleia (Foto: Victor Chileno/ALMS)
Os deputados que fazem parte da base aliada do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), disseram que o ano eleitoral, não vai interferir no apoio e ajuda a projetos importantes para o Estado, mesmo que alguns partidos tenham candidatos ao governo. Eles garantem que sabem diferenciar as duas situações.

"O que for bom para o Estado o PMDB vai continuar votando a favor, temos que separar bem a eleição, do nosso papel como deputado aqui no legislativo", garantiu o deputado Eduardo Rocha, líder do bloco do PMDB, na Assembleia. O seu partido trabalha para ter candidato próprio, tendo como mais cotado o ex-governador André Puccinelli (PMDB).

Mesma postura de Márcio Fernandes (PMDB), que ponderou que a base aliada do governador está coesa. "Vamos continuar apoiando o governo, mesmo em lados opostos na eleição, ajudando e colaborando com os projetos importantes, a eventual disputa não vai interferir nas votações", garante.

Para Renato Câmara (PMDB), o parlamento tem compromissos a cumprir com seus eleitores e deve continuar votando matérias para melhorar a economia e finanças do Estado. "Quando se tem interesse social e público até a oposição vota a favor, a eleição não vai mudar este cenário".

Herculano Borges (SD) disse que projetos importantes, estão acima de qualquer interesse partidário. "Tem que estar a frente das questões eleitorais, acredito que aqui não vai dar nenhum problema". Paulo Corrêa (PR) ressaltou que disputas políticas ficam na campanha. "São coisas separadas".

O governador disse que ontem (09) que esperava o apoio da sua base, aos projetos importantes, independente de alguns partidos estarem com candidatos a sucessão estadual, no ano eleitoral, e que entende que os deputados são "maduros" para diferenciar as duas situações.

Fonte: campograndenews
por: Leonardo Rocha