Novo anexo de delação da JBS cita R$ 5 milhões a Aldemir Bendine - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

02/09/2017

Novo anexo de delação da JBS cita R$ 5 milhões a Aldemir Bendine

Documentação foi entregue nesta sexta-feira à PGR como complemento da delação de executivos da JBS. Material cita pedido de empréstimo feito pelo ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras.

Aldemir Bendine teria solicitado empréstimo ao empresário Joesley Batista e, em troca, faria esforço para atender a pedidos da JBS (Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo/Arquivo)
Delatores da JBS entregaram nesta sexta-feira (1º) novos anexos à Procuradoria Geral da República e, nessa complementação da delação, revelaram detalhes inéditos sobre um pagamento feito a Aldemir Bendine, ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil. A TV Globo teve acesso a trechos dessa nova parte da delação.

Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, que controla o frigorífico, contou que, em 2013, Bendine, ainda no comando do Banco do Brasil, foi pessoalmente à casa do empresário pedir dinheiro.

O delator afirmou que, mesmo demonstrando constrangimento, Bendine pediu R$ 5 milhões emprestados para a compra de um imóvel. Joesley disse que não se recorda se a propriedade já estava comprada ou se Bendine ainda iria adquirir o imóvel.

Segundo Joesley, Bendine afirmou que não poderia beneficiá-lo no banco, porque o sistema de governança da instituição impediria atos ilícitos. Porém disse que se esforçaria pra atender a pedidos da JBS, não necessariamente no Banco do Brasil.

De acordo com o anexo entregue à PGR, Joesley afirmou que Bendine era uma pessoa influente no governo e que, por isso, concordou em emprestar os R$ 5 milhões.

Gravações inéditas

Fontes com acesso às investigações confirmaram ao Jornal Nacionalque, no material enviado à PGR, há também gravações inéditas.

Uma delas deixaria claro o acerto entre Bendine e Joesley para comprar a vaga da presidência da Vale do Rio Doce com a ajuda do empresário.

O acerto seria Joesley pagar R$ 40 milhões para que Bendine assumisse o cargo. A contrapartida estaria explicada em outra parte do novo material, uma troca de mensagens, na qual Bendine diz a Joesley que poderia recuperar oito vezes o pagamento feito por Joesley caso Bendine se tornasse presidente da Vale. Ou seja, um total de R$ 320 milhões.

As novas informações podem ser utilizadas em inquéritos já em andamento ou, então, fundamentar a abertura de novas investigações.

Encontro

O delator revelou que o então presidente do Banco do Brasil foi pessoalmente à sede da J&F, empresa dona da JBS, acompanhado de um homem que aparentava mais de 50 anos, e pediu para receber parte dos R$ 5 milhões.

Para comprovar o acordo com o ex-presidente do Banco do Brasil, o empresário apresentou à PGR planilhas com valores e datas dos pagamentos. Joesley também informou que, apesar de Bendine dizer que não haveria uma contrapartida ilegal e imediata, ele recebeu o dinheiro e nunca o devolveu.

Nos primeiros anexos da delação, revelados em maio, os delatores já tinham explicado que era costume da empresa fazer pagamentos mesmo sem garantia de privilegios. Era o chamado "reservatório de boa vontade".

Bendine foi preso pela Polícia Federal em julho, suspeito de receber R$ 3 milhões da Odebrecht. O Ministério Público diz que, na véspera de assumir a presidência da Petrobras, Bendine e um de seus operadores financeiros pediram propina a Marcelo Odebrecht e Fernando Reis.

Investigadores dizem ainda que o pedido foi feito para que a empreiteira não fosse prejudicada na Petrobras, inclusive em relação às consequências da Operação Lava Jato.

Por Camila Bomfim, TV Globo, Brasília