Ministros do Supremo divergem sobre afastamento de Aécio - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

27/09/2017

Ministros do Supremo divergem sobre afastamento de Aécio

Fux e Marco Aurélio têm opiniões distintas a respeito da autonomia do Senado de analisar a decisão dos ministros do STF

© Nelson Jr./SCO/STF
Após o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), dizer nesta quarta (27) que o Senado tem autonomia para analisar a decisão da corte que afastou Aécio Neves (PSDB-MG) de suas funções parlamentares, o ministro Luiz Fux disse que o Senado deve cumprir a decisão de afastar o tucano.

Para Fux, o Senado só teria de analisar o caso se os ministros tivessem decidido prender Aécio.

"Se fosse prisão, eles poderiam efetivamente não autorizar. Mas vamos esperar os acontecimentos para a gente verificar, pode ser que tenha de passar pelo nosso crivo essa eventual superação da decisão judicial."

Senadores tucanos defenderam nesta terça-feira (26) a necessidade de o plenário da Casa se manifestar sobre a decisão do STF de impor recolhimento noturno a Aécio e de afastá-lo do mandato, conforme decidido pela primeira turma da corte.

"O STF já decidiu questões semelhantes de afastamento, já decidiu até questão de prisão de um parlamentar e, em ambas as ocasiões, o Senado cumpriu a decisão do Supremo. É o que se espera que ocorra porque o cumprimento das decisões, a harmonia e independência dos Poderes é exatamente um pressuposto do Estado de Direito", disse Fux a jornalistas ao chegar à sessão do tribunal.

Em novembro de 2015, o STF determinou a prisão do então senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS); em maio de 2016, o tribunal referendou o afastamento do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

DIVERGÊNCIA

A posição de Fux diverge da do colega Marco Aurélio que, pouco antes, disse que o Senado Federal tem autonomia para analisar a decisão dos ministros do Supremo.

"Sustentei, sem incitar o Senado à rebeldia, na minha decisão, que, como o Senado pode rever uma prisão determinada pelo Supremo, ele pode rever uma medida acauteladora", disse Marco Aurélio a jornalistas ao chegar à sessão do tribunal.

"Não estou incitando o Senado a reverter. Se ele pode o mais, que é rever até uma prisão, o que dirá a suspensão do exercício do mandato. Não estou adiantando ponto de vista, eu sustentei isso no meu voto." 

Fonte: ASSECOM - Com informações da Folhapress.