Joesley Batista chama Temer de 'ladrão geral da República' - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

02/09/2017

Joesley Batista chama Temer de 'ladrão geral da República'

Dono da JBS, empresário divulgou nota à imprensa após o Palácio do Planalto criticá-lo e chamá-lo de 'grampeador-geral da República'. Procurada, assessoria de Temer não quis comentar o assunto.

Mais políticos aparecem na complementação da delação dos executivos da JBS © Divulgação
O empresário Joesley Batista, dono da JBS, respondeu com duras críticas uma nota divulgada nesta sexta-feira (1º) pelo Planalto do Planalto na qual ele foi chamado de "grampeador-geral da República". Ao comentar o assunto, Joesley chamou o presidente Michel Temer de "ladrão geral da República".

O empresário afirmou, ainda, que a decisão de Temer de "atacar" delatores mostra a "incapacidade" do presidente de se defender "dos crimes que comete".

"Michel, que se tornou ladrão geral da República, envergonha todos nós, brasileiros", conclui Joesley.

Procurado pela TV Globo, o Palácio do Planalto informou que não iria comentar o assunto.

Entenda o caso

A assessoria de Temer divulgou uma nota nesta sexta para criticar as delações de Joesley Batista e do operador financeiro Lúcio Funaro.

Nessa nota, o Palácio do Planalto compara os dois acordos de delação e questiona se os benefícios concedidos ao doleiro serão o "perdão total" a que Joesley teve direito.

O Planalto chama Joesley de "grampeador-geral da República" e afirma que o delator escondeu e apagou áudios que estavam em seu gravador, mesmo assim ele continua com o "perdão eterno" do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

"Prêmio igual ou semelhante será dado a um criminoso ainda mais notório e perigoso como Lúcio Funaro?”, indaga o texto da Presidência.

Delações

Joesley e Lúcio Funaro citaram Michel Temer nas respectivas delações. O dono da JBS chegou a entregar gravação de uma conversa dele com o presidente na qual eles discutiram, segundo a PGR, a compra do silêncio de Eduardo Cunha.


Funaro, por sua vez, afirmou na delação que Temer sabia do esquema de corrupção que atuou na Petrobras e orientou a distribuição de dinheiro desviado da Caixa Econômica Federal.

A assessoria de Temer nega todas as acusações.

Íntegra

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada por Joesley Batista:

A delação premiada é por lei um direito que o senhor presidente da República tem por dever respeitar. Atacar seus delatores mostra no mínimo a incapacidade do senhor Michel Temer de oferecer defesa dos crimes que comete. Michel, que se tornou ladrão geral da República, envergonha todos nós, brasileiros.

Por G1, Brasília