Governo avalia que delação de Geddel é o maior risco para Temer - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

18/09/2017

Governo avalia que delação de Geddel é o maior risco para Temer

Presidente foi denunciado pela PGR, na semana passada, por obstrução de justiça e organização criminosa

© Ueslei Marcelino / Reuters
Depois da denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Michel Temer, por obstrução de justiça e organização criminosa, o governo quer tentar paralisar a denúncia o máximo possível, no âmbito da Justiça, pelo menos até esta quarta-feira (20), quando o STF retomará o julgamento sobre as irregularidades no processo de delação dos donos da JBS.

Segundo avaliação dos aliados de Temer, ele terá mais facilidade para rejeitar a denúncia, depois do "desgaste" causado ao Ministério Público Federal (MPF) pela reviravolta nas delações da JBS.

Executivos da empresa tiveram os acordos de colaboração revisados e os benefícios rescindidos após áudios indicarem que eles omitiram informações importantes aos investigadores.

A decisão ainda precisa ser homologada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo tribunal Federal (STF). O ministro deu dez dias para que Joesley e Saud se manifestem sobre a rescisão.

Além disso, a possível atuação do ex-procurador Marcelo Miller, a favor do grupo empresarial enquanto ainda estava na PGR, põe em xeque o próprio Janot e as investigações, diz a base governista.

No entanto, se a denúncia chegar à Câmara, o governo trabalhará por uma tramitação rápida. E o motivo tem nome e sobrenome: Geddel Vieira Lima. Preso depois de a Polícia Federal encontrar R$ 51 milhões em apartamento que seria utilizado por ele, o governo já teme uma delação do ex-ministro. Ele foi chefe da Secretaria Geral de Temer e é amigo do presidente.

Desde a prisão do ex-ministro, Temer não comentou o fato, mas alguns aliados mais francos admitem que há uma tensão no entorno do presidente. Eles calculam que Geddel pode dizer que agia só ou a serviço de quem estava nessa empreitada milionária.

A relação entre Temer e Geddel já foi mencionada no depoimento de colaboração premiada de Lúcio Funaro, apontado como operador financeiro do PMDB na Câmara. Ele chegou a citar que Geddel era “amigo e interlocutor” de Temer, além de “forte arrecadador de doações e propinas”.

Segundo Funaro, a pedido de Temer, ele pegou, no escritório do assessor especial e amigo íntimo do presidente José Yunes, uma caixa contendo R$ 1 milhão em espécie. A missão era encaminhar o montante a Salvador (BA), aos cuidados de Geddel Vieira Lima.

A declaração consta no anexo 8 do acordo de delação premiada do doleiro, firmado no dia 22 de agosto, com a Procuradoria-Geral da República (PGR), conforme O Globo.

Ainda de acordo com Funaro, os recursos seriam provenientes de caixa 2, pagos pela Odebrecht, após negociação feita pelo próprio presidente e pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

A informação do doleiro dá força à suspeita de que o partido estava guardando dinheiro "vivo", na Bahia, com o objetivo de utilizá-lo em campanhas eleitorais.

O ex-ministro cumpria prisão domiciliar, na capital baiana, até o último dia 8, quando foi levado para o complexo prisional da Papuda, em Brasília.

Fonte: NAOM