Após assediar repórter, deputado pode ser alvo do Conselho de Ética - JORNAL CORREIO MS

Campo Grande (MS),

LEIA TAMBÉM

Post Top Ad

07/08/2017

Após assediar repórter, deputado pode ser alvo do Conselho de Ética

Deputado Wladimir Costa chamou atenção na última semana por ter feito uma tatuagem em homenagem ao presidente Michel Temer

Após assediar repórter, deputado pode ser alvo do Conselho de Ética © REPRODUÇÃO
O deputado Wladimir Costa, que chamou atenção na última semana por ter feito uma tatuagem em homenagem ao presidente Michel Temer, deve ser alvo de representação no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados. Costa foi acusado de assédio contra a jornalista Basília Rodrigues.

De acordo com a radio CBN, a repórter pediu para que Costa mostrasse o desenho da tatuagem. Então, o deputado respondeu que "só mostraria o corpo inteiro".

Costa usou as redes sociais para fazer novos ataques e postou fotos da jornalista sem ter autorização. O deputado usou expressões agressivas para negar o assédio e fez ofensas pessoais.
© REPRODUÇÃO
O deputado Júlio Delgado (PSB) pretende levar o caso ao Conselho de Ética. "Vou tentar representar partidariamente para que o partido PSB possa representar contra um cidadão que não tem correspondido à ética e ao decoro parlamentar. Não é um exemplo um deputado agir dessa forma", diz.

A Frente Parlamentar em Defesa das Mulheres na Câmara também quer se mobilizar contra o caso de assédio.

'Todas as jornalistas que, por força da sua profissão, tem que lidar muitas vezes com pessoas que agem de forma criminosa e desrespeitosa como é o caso. Tenho procurado registrar ocorrência, levar ao conhecimento do Ministério Público para denúncia ao STF da falta de postura e da atitude criminosa dos deputados. Nenhuma mulher deve passar por esse tipo de constrangimento', afirma Maria do Rosário (PT).

Lembrando que Wladimir Costa responde no Supremo Tribunal Federal por peculato. No dia da votação da denúncia contra Temer, o mesmo deputado foi flagrado pedindo fotos nuas de uma mulher por WhatsApp.

Fonte: NAOM